Amigos do jazz + bossa

quarta-feira, 22 de junho de 2011

FALANDO, ISTO É, TOCANDO FRANCAMENTE



Situada em um ponto quase eqüidistante entre o Atlântico e o Pacífico, Kansas City, no estado do Missouri, é um dos maiores celeiros de grandes músicos de jazz. Ali nasceram figuras seminais como Melba Liston, Chris Connor, Ben Webster, Bennie Moten, Curtis Counce e muitos outros. Além dos músicos nascidos ali, a cidade recebeu de braços abertos músicos oriundos de outras partes do país, como Count Basie, Lester Young, Buck Clayton, Coleman Hawkins, Jay McShann, Andy Kirk e uma infinidade de outros grandes nomes. Embora tenha nascido na Kansas City do estado do Kansas, foi na cidade homônima do Missouri que Charlie Parker, que havia se mudado para lá na infância, iniciou a sua brilhante trajetória musical.

Por tudo isso, não é à toa que a cidade designa um estilo bastante próprio dentro do jazz, sinônimo de alegria, vigor e malemolência, um contraponto aos estilos mais ácidos e ferozes praticados em cidades como Nova Iorque, Chicago ou Detroit. Nativo da cidade, Frank Wellington Wess é, sem dúvida alguma, um dos nomes mais importantes da história do jazz produzido ali e seu nome se inscreve entre os mais importantes saxofonistas da fase de transição entre as eras do swing e do bebop.

Nascido em 04 de janeiro de 1922, o aprendizado musical começou aos dez anos, quando começou a estudar sax alto. Morava então em Sapulpa, no estado de Oklahoma, para onde a família havia se mudado em 1931. Em 1935, nova mudança, desta feita para Washington DC, que na época possuía um cenário musical bastante promissor. O amor pelo jazz crescia, na proporção em que a música de orquestras como as de Chick Webb, Earl Hines e Duke Ellington invadia a casa da família Wess pelas ondas do rádio.


Na nova cidade, Frank continuou os estudos musicais, freqüentando a Dunbar High School, onde concluiu o ensino médio em 1937 e também fez parte de sua orquestra. Um dos seus grandes amigos daqueles tempos era o pianista Billy Taylor, um dos mais célebres representantes do jazz praticado na capital dos Estados Unidos. Logo em seguida, ingressou na Howard University Music Conservatory, onde cursou música, durante o biênio 1937/1938. Já relativamente conhecido no meio jazzístico de Washington, ele trabalhou em diversas orquestras, como a da cantora Blanche Calloway, e permaneceu na cidade até 1941, quando foi convocado pelo exército.

Eram os tempos da II Guerra Mundial e Wess serviu em diversos países do norte da África, como Libéria, Marrocos, Argélia e Senegal. Ele jamais entrou em combate – felizmente, pois as tropas alemãs que lutavam na região eram comandadas pelo temível marechal Erwin Rommel, a Raposa do Deserto – e fez parte de um sem número de bandas militares, adicionando a seu cartel novos instrumentos, como o sax tenor, a flauta e o clarinete. Na corporação, Frank viveu suas primeiras experiências como bandleader e arranjador, e teve a honra de acompanhar a lendária cantora Josephine Baker em diversos concertos para as tropas aliadas baseadas em solo africano.

Frank permaneceu no exército até 1945, quando foi dispensado e retrornou aos Estados Unidos. A partir daí, viriam trabalhos com Billy Eckstine, Eddie Heywood, Lucky Millinder e Bull Moose Jackson. Em 1949, decidiu aprofundar os estudos de flauta com Wallace Mann, integrante da National Symphony. Depois, foi estudar com Harold Bennett, flautista da Metropolitan Opera de Nova Iorque, o que o obrigou a se fixar na cidade.

Em Nova Iorque, Frank se matriculou na Modern School Of Music, onde se graduou em flauta, em 1952. Em agosto do ano seguinte, Wess foi contratado pela orquestra de Count Basie, assumindo o sax tenor que anteriormente pertencera a Paul Quinichette. A associação com Basie foi longa e prolífica, resultando em dezenas de gravações e incontáveis concertos, em países como Suécia, Noruega, Dinamarca, Inglaterra, Japão, Itália, Alemanha, Bélgica, Holanda, Portugal, Suíça, Espanha e Canadá. Após adquirir confiança, ele também passou o sax alto e a flauta, instrumentos que dominava com absoluta maestria.

Ao mesmo tempo, Frank dava início a uma belíssima carreira solo, liderando vários pequenos conjuntos e construindo uma sólida carreira fonográfica. Suas primeiras gravações como líder datam de dezembro de 1954, para a pequena for Commodore Records, à frente de um afiado quinteto, do qual faziam parte o trombonista Benny Powell, o pianista Jimmy Jones, o contrabaixista Oscar Pettiford e o baterista Osie Johnson. Em seguida, viriam álbuns por selos como Savoy, Enterprise, Progressive, Uptown, Prestige/Moodsville, Pablo, Concord, JVC, Town Crier, Koch e Chiaroscuro.

Na orquestra de Basie, ele ajudou a popularizar a flauta no jazz e abiscoitou diversas vezes o prêmio de melhor flautista do ano da revista Down Beat, tanto na votação do público quanto da crítica. Graças aos arranjos de Thad Jones e, sobretudo, Neal Hefti, Frank se tornou decisivo para moldar a personalidade sonora da big band, reconhecível aos primeiros acordes pela espontaneidade e vibração extremas. Segundo o venerável Luiz Orlando Carneiro, ele “acabou por ganhar mais fama como flautista do que como saxofonista tenor de rara elegância, inspirado improvisador, descendente estilístico de Lester Young”.

Durante os onze anos em que permaneceu com o Conde, Wess se tornou bastante próximo do também saxofonista, e xará, Frank Foster. Os dois construiriam uma sólida amizade e uma parceria musical que atravessaria as décadas seguintes, proporcionando aos fãs do jazz momentos verdadeiramente sublimes. A associação com Basie perdurou até 1964, quando decidiu partir para outros projetos. Estabelecido em Nova Iorque, Wess fez parte do New York Jazz Quartet, criado pelo pianista Roland Hanna, e liderou suas próprias formações.

Atuando como um dos mais requisitados músicos de apoio dos anos 50 e 60, o nome de Wess pode ser lido nos créditos de álbuns de Harry “Sweets” Edison, Osie Johnson, Joe Newman, Kenny Clarke, Milt Jackson, Al Grey, Etta Jones, Kenny Burrell, Billy Taylor, Sarah Vaughan, Big Joe Turner, Urbie Green, Mal Waldron, Thad Jones, John Coltrane, Buck Clayton, Tony Bennett, Gene Ammons, Ray Charles, Howard McGhee, Pee Wee Russell, Houston Person, Elvin Jones, Ahmad Jamal, Ernestine Anderson, Johnny Hodges, Jimmy McGriff, Oliver Nelson, Roland Kirk, Shirley Horn, Lee Morgan, King Curtis e uma infinidade de outros grandes nomes.

Um dos seus momentos mais memoráveis como frontman pode ser captado no álbum “The Frank Wess Quartet”, gravado no dia 09 de maio de 1960, para a Moodsville, uma subsidiária da Prestige. Se dividindo entre o saxofone tenor e a flauta, Frank lidera um grupo formado por Tommy Flanagan no piano, Bobby Donaldson na bateria (pouco conhecido, mas com trabalhos ao lado de Edmond Hall, Andy Kirk e Buck Clayton) e por seu companheiro na orquestra de Basie, Eddie Jones, no contrabaixo.

A faixa que abre o disco é “It's So Peaceful in the Country”, de Alec Wilder, e a atmosfera relaxada sugerida no título da canção é mantida pelo quarteto. A flauta de Wess passeia com suavidade e leveza pelos acordes, destilando um tênue sabor oriental em alguns momentos. O delicado trabalho de Donaldson com as escovas é dos mais convincentes e o piano de Flanagan, insinuante e discreto, é um dos muitos acertos do arranjo.

Em seguida, é a vez do blues “Rainy Afternoon”, de autoria do líder, que aqui maneja o sax tenor com indiscutível autoridade. Como exige a tradição do blues, a sonoridade de Wess é pesada, rascante e se mostra fortemente influenciada pela escola texana, mas ele também exibe as qualidades de grande improvisador. A ótima integração da sessão rítmica é outro ponto a ser ressaltado, sendo que do ponto de vista das atuações individuais a de Flanagan merece ser apreciada com bastante atenção.

Em “Star Eyes”, de Don Raye e Gene DePaul, o quarteto vai buscar inspiração na música latina e entrega uma versão alegre, com ênfase no aspecto rítmico, com mais uma bela atuação de Donaldson. Mais uma vez com a flauta, Wess é uma usina de criatividade e bom gosto. Sua interpretação é leve e colorida, mas ao mesmo tempo sóbria e totalmente avessa a estrépitos.

A balada “Stella by Starlight”, composta por Ned Washington e Victor Young, recebe um arranjo sutil, quase melancólico. Wess evoca a forte influência de Lester Young, para construir uma apaixonada sonoridade ao tenor. A carga emocional é compartilhada com Flanagan, cujo dedilhado econômico desemboca em uma interpretação na qual os espaços e os silêncios possuem quase tanta importância quanto os acordes escolhidos.

James Van Heusen e Johnny Burke estão presentes com a lindíssima “But Beautiful”. O arranjo delicado passa a impressão de fragilidade e abandono, sensação reforçada pela abordagem impressionista de Wess. A flauta se equilibra entre a desolação e a esperança, a percussão minimalista emula, ainda que intuitivamente, a batida da bossa nova que em pouco menos de quatro anos conquistaria a terra de Tio Sam e as harmonias sofisticadas ao piano remetem ao universo jobiniano de composições como “Falando de amor” ou “Lígia”.

Cativante balada em tempo médio, “Gone with the Wind” foi composta por Allie Wrubel e Herbert Magidson. Wess tem uma atuação inesquecível, extraindo do sax tenor uma sonoridade macia, sem arestas ou efeitos. A última faixa do album é “I See Your Face Before Me”, de autoria de Arthur Schwartz e Howard Dietz. O grupo elabora uma versão dançante, que se desenvolve a partir da percussão cativante de Donaldson e que cresce em intensidade e emoção com a entrada do piano, sempre cristalino, de Flanagan. O líder maneja a flauta com habilidade incomum e transforma uma melodia aparentemente simples em uma experiência sonora marcante. Não é à toa que a crítica especializada costuma dizer que a flauta jazzística se divide em antes e depois de Frank Wess.

A partir da segunda metade da década de 60, Frank fez parte do cast de músicos da rede de televisão ABC, atuando nas orquestras de programas bastante populares como o Saturday Night Live, o Dick Cavett Show, o David Frost Show e o Sammy Davis Jr. TV Show. Ao lado do velho amigo Foster, Wess liderou o quinteto chamado Two Franks, presença cativa nos clubes da Grande Maçã. Outra associação importante foi na big band de Clark Terry, ele próprio um ex-integrante da orquestra de Basie.

Mostrando não ter nenhum tipo de preconceito musical, Wess participou do coletivo Jazz Composer's Orchestra, grupo criado pelo trompetista Michael Mantler em meados dos anos 60 e que congregava artistas ligados ao jazz de vanguarda. A orquestra lançou um álbum homônimo em 1968 e Frank toca sax alto, dividindo os créditos com uma série de jovens músicos que, nos anos seguintes, se tornariam figuras de proa do jazz, como Gato Barbieri, Carla Bley, Ron Carter, Don Cherry, Larry Coryell, Andrew Cyrille, Richard Davis, Eddie Gomez, Jimmy Knepper, Steve Lacy, Roswell Rudd, Steve Swallow, Lew Tabackin, Cecil Taylor, Randy Brecker, Reggie Workman, Pharoah Sanders, Ed Blackwell, entre outros.

Durante os anos 70 e 80, a agenda de Wess continuou bastante lotada, tendo atuado em álbuns de medalhões da música pop, como Aretha Franklin, Roberta Flack, The Sisters Sledge, Stevie Wonder e George Benson. Durante todo o ano de 1972, Frank percorreu os Estados Unidos, ministrando palestras, conferências e oficinas, dentro de um projeto promovido pela IAJE – International Association for Jazz Education, que objetivava resgatar a trajetória das big bands, com ênfase nos aspectos técnicos como arranjo e composição. Grandes nomes marcaram presença nesse projeto, como Clark Terry, Gary Burton, Frank Foster, Bob Wyatt e Bill Watrous. Ele também esteve envolvido em outros projetos de relevantes, como a banda Dameronia, criada pelo baterista Philly Joe Jones e pelo trompetista Don Sickler, com o objetivo de resgatar as composições do genial Tadd Dameron.

Frank também fez parte das orquestras de Woody Herman e Toshiko Akiyoshi, tendo escrito arranjos para ambas. No final da década de 80, criou uma big band com diversos ex-integrantes da orquestra de Count Basie, tais como Harry “Sweets” Edison, Joe Newman, Snooky Young, Al Grey, Benny Powell, Marshal Royal e Billy Mitchell. A banda gravou álbuns bastante elogiados pela crítica, como “Entre Nous” (Concord, 1990) e “Dear Mr Basie” (Absord, 2003).

Em ambientes eminentemente jazzísticos, Wess não perdeu a antiga mania de trabalhar como um alucinado e nos últimos vinte anos tem atuado, seja como líder, seja como sideman, ao lado de Kenny Barron, Bill Charlap, Gerald Wilson, Rufus Reid, Dakota Stanton, Benny Carter, Frank Sinatra, Mel Tormé, Louie Bellson, John Pizzarelli, Gene Harris, John Bunch, Lionel Hampton, Howard Alden, Dexter Gordon, Sonny Stitt, Milt Hinton, Dick Hyman, Grady Tate, Frank Vignola, Jon Faddis, Jerry Dodgion e Hank Crawford, entre muitos mais.

Durante quase dez anos, foi o principal tenorista da Carnegie Hall Jazz Band e também excursionou com a Dizzy Gillespie Alumni Big Band. Em 1995 lançou pela Chiaroscuro o excelente álbum duplo “Surprise! Surprise!”, que contou com as participações especiais de três lendas vivas do jazz: Flip Philips, Jimmy Heath e Frank Foster. Em 2004, Wess foi eleito o flautista do ano, pela Jazz Journalists Association, entidade que congrega críticos e jornalistas ligados ao jazz (em 2009 ele voltaria a abocanhar o prêmio). No ano seguinte, ele fez uma temporada à frente da Juilliard Jazz Ensemble, formada por alunos daquela prestigiosa instituição.

Wess também já foi laureado por algumas das mais importantes instituições de ensino dos Estados Unidos, por sua relevante contribuição para o desenvolvimento do jazz. Dentre as muitas escolas e universidades que já lhe renderam homenagens, estão a Cornell University, a Notre Dame University, a Oberlin University e a University Of New Hampshire. Em 2007 ele foi agraciado com o American Jazz Masters Fellowship, concedido pela The National Endowment For The Arts, provavelmente a mais importante honraria que um músico de jazz pode almejar.

Lúcido e cheio de vitalidade, Frank continua trabalhando de maneira infatigável, se apresentando em casas noturnas e festivais pelo mundo, como o de Estoril, o de Berna, o de San Sebastián, o de Monterey, o de Chicago e o tradicional Charlie Parker Jazz Festival, em Nova Iorque. Em 2006 lançou o badalado “Hank And Frank”, pela Lineage Records, no qual dividia a liderança com o lendário pianista Hank Jones. Três anos depois, a dupla repetiria a dose com o não menos primoroso “Hank And Frank 2”, que recebeu da revista Down Beat  impressionantes cinco estrelas, cotação máxima daquela que é considerada a mais importante publicação sobre jazz do planeta.

Em março de 2011, participou de um concerto em homenagem ao recentemente falecido James Moody, realizado no Blue Note de Nova Iorque e que também contou com as ilustres presenças de Lew Tabackin, Kenny Barron, Cyrus Chestnut, Paquito D'Rivera, Roberta Gambarini, Antonio Hart, Jimmy Heath, Lewis Nash e David Sanborn, entre outros. O valor arrecadado no evento foi integralmente doado à James Moody Scholarship for Newark Youth, entidade voltada para apoiar jovens músicos carentes. Para deleite dos fãs do jazz, Wess continua a trilhar sua extraordinária trajetória musical com o apetite de um iniciante.

==================================

36 comentários:

APÓSTOLO disse...

Estimado ÉRICO:

Bela resenha e soberba gravação, feita para alegrar todos os corações sensíveis.
Grato pela música = QUALIDADE é fundamental.

Fernando - diseño de paginas web disse...

O que é bom para ver que eles usam seu talento musical para ajudar as pessoas em necessidade. Quero parabenizá-lo.
Fernando

Érico Cordeiro disse...

Caros Apóstolo e Fernando,
Sejam muito bem-vindos.
O Wess é um grande músico e tem sido uma pessoa de grande generosidade.
E ainda vai haver uma overdose de franks - vem aí o Strozier, o Foster e o Morgan, todos com uma inestimável ajuda apostólica!!!
Grande abraço aos dois!

Anônimo disse...

Frank Weiss... vou ouvi-lo depois!! Obrigado pela dica. Abraços, Kátia.

MJ FALCÃO disse...

Passo para dizer "hello" e ... encontro mais uma maravilha!
Abraço
o falcão

Érico Cordeiro disse...

Caras amigas Kátia e M J Falcão,
Feliz por tê-las a bordo.
O Frank Wess tem vários bons discos - os dois discos da série Hank & Frank são fantásticos. Tem um disco da Concord que eu gosto muito chamado Tryin' to make my blues turn to green, que conta com feras como Kenny Burrell, Steve Turre e Horace Parlan.
Abraços fraternos!

John Lester disse...

Prezado Mestre, se existem álbuns quase perfeitos, este é sem dúvida um deles. Agora, que existem músicos de jazz perfeitos, eles existem sim. E Frank é um deles. Merecida homenagem.

Grande abraço, JL.

Érico Cordeiro disse...

Meu bom Capitão John Lester,
Vêlo aqui no barzinho ajuda a matar as saudades dos inúmeros amigos deixados no circuito Vitória-Vila Velha.
Um caloroso abraço n'A Turma, a qual se incluiu, de forma definitiva, o meu querido Tio Frutuoso, o mais novo memnro do Clube das Terças.
Grande abraço e assino embaixo: Disco quase perfeito (poderia ter aí umas duas ou três faixas a mais) e um músico mais que perfeito!

José Domingos Raffaelli disse...

Caro Érico,

Endosso as apreciações e comentários dos demais confrades. Realmente, Frank Wess é um super talentoso jazzman com longa e produtiva folha de serviços à nossa amada música dos músicos.

Com relação a seus CDs, permita-me sugerir dois deles:

1) "OPUS DE JAZZ" (Savoy), com um fabuloso quinteto de feras, que meu saudoso e pranteado amigo Carlos Conde considerava "UM DISCO PARA A ILHA DESERTA", e

2)"THE LONG ROAD" (OJC) - este reune material de 2 LPs, o primeiro (as primeiras 7 faixas com a orquestra de Oliver Nelson tocando material latino, que, a meu ver, não está à altura do segundo); as faixas de 8 a 13, do segundo, com um pequeno conjunto, são excelentes:

Material latino com Oliver Nelson:

1. Southern Comfort
2. Blue Skies
3. Gin's Beguine
4. Blues for Butterball
5. Summer Frost
6. Dancing in the Dark
7. Shufflin'

Material jazzístico:

8. The Lizard
9. Little Me
10. Yo-Ho
11. Cold Miner
12. Poor You
13. The Long Road

Isto tudo é para afirmar que na faixa 12 (POOR YOU) Frank Wess toca o melhor solo de flauta que ouvi em minha vida - nunca ouvi alguém extravasar tanto feeling e tanta beleza melódica no instrumento como ele. POOR YOU vale o preço do CD.

Keep swinging,
Raffaelli

José Domingos Raffaelli disse...

Prezado Érico,

Em trempo: o pessoal de OPUS DE JAZZ (Savoy) é Milt Jackson, Frank Wess, Kenny Clarke, Hank Jones e Eddie Jones.

Keep swinging,
Raffaelli

Érico Cordeiro disse...

Mestre Raffaelli,
Sempre com ótimas dicas!
Dei uma olhada no Amazon e o The Long Road tá a 19 dólares (o de 4,99 não é entregue no Brasil).
Já o Opus de Jazz deve estar fora de catálogo, pois não consta do site - Tem lá o Opus de Swing, que parece bem interessante, embora meio caro também (16 dólares).
Grande abraço, Mestre!

José Domingos Raffaelli disse...

Caro Gran Master Érico,

Com a destruição das matrizes dos discos de jazz após o desaparecimento das gravadoras Riverside, Contemporary, Prestige, Jazzland, Verve, Pablo, Fantasy, Savoy, Milestone, Pacific Jazz e tantas mais, decorrente da quantidade incalculável de discos baixados na Internet, foi decretado o desaparecimento daqueles selos e o mercado jazzístico ficou órfão.
Por essas e outras, até Sonny Rollins vende seus CDs no seu site, porque não existem mais gravadoras para contratá-lo. Como tais gravadoras tornaram-se coisa do passado, até Rudy Van Gelder, o mago dos engenheiros de som, foi obrigado a mudar de profissão, fechando seu famoso estúdio de gravação para - segundo noticiaram - tornar-se fotógrafo!!

Com relação aos CDs Savoy (incluindo Opus de Jazz e Opus in Swing, acima mencionados), há muito suas matrizes foram adquiridas pela Columbia japonesa, que continua lançando seus CDs. Logicamente, devido a seu imenso estoque, a Amazon continua vendendo CDs de jazz, mas a continunar esse estado de coisas, um dia vai juntar-se à Virgin Megastore, HMV, King Carol e outras famosas lojas de discos nova-iorquinas que encerraram suas atividades. Das grandes lojas da Big Apple, a única que continua funcionando é a J & R, a meu ver a melhor loja de discos de jazz do mundo.

Keep swinging,
Raffaelli

Érico Cordeiro disse...

O que seria da memória jazzística se não fossem os tenazes nipônicos?
Tomara que o cd ainda se mantenha vivo por muitos e muitos anos - a sua vantagem em relação ao LP é que ele é absolutamente compatível com as outras mídias, o que, em tese, lhe dá alguma sobrevida.
Abração, Mestre!

José Domingos Raffaelli disse...

Caro Érico,

A desenfreada baixa de discos pela Internet motivou o desaparecimento das gravadoras de jazz. Por sinal, na lista das gravadoras por mim relacionadas faltou (por esquecimento, claro) mencionar a Blue Note, que, a meu ver, foi a mais importante de todas.

Há uns dois ou três anos, o conhecido trompetista Donald Byrd foi condenado a 5 anos de prisão porque "não pagar alguns impostos federais". Durante o julgamento, o juiz perguntou-lhe porque deixara de pagar os impostos, e Donald respondeu simplesmente: "Porque há tempos nada recebo da minha ex-gravadora, que encerrou suas portas. Devido à facilidade para baixarem gratuitamente a música dos meus discos, eles não foram vendidos e, consequentemente, nada recebi por meus direitos autorais".

A sentença do juiz foi inflexível, porém o advogado de Donald Byrd recorreu e, após rever o processo, o juiz anulou a decisão anterior e ele foi libertado.

Keep swinging,
Raffaelli

Sergio disse...

É calaro que um álbum entusiasticamente recomendado por mr. Raffaelli e dito por outro provável jazzófilo, enciclopédico amigo dele, como “um disco para a ilha deserta”, não escapa à minha desmedida ambição. Fora de catálogo então!... não poderia almejar notícia melhor. Daí q, encontrei-o no soulseek. Mas sim, mr. Érico, o álbum se encontra nos catálogos do Amazon e pela raridade, pra quem pode, nem está tão caro assim: 30 dólares (na verdade 29,90). Infelizmente, não posso.

Mas, pensem, eu não sei o custo, mais impostos, mais a grana para distribuição – q agora nem seria tão importante -, qual o valor final de um álbum, o certo é que se as gravadoras fixassem um preço único e justo em tempos de download grátis, se elas se adaptassem a esta nova realidade ao invés de querer prender e arrebentar os que tiram proveito do moimento, não teriam fechado as portas. O que sei é que a mídia onde os discos são gravados é honesta e baratíssima, tipo no varejo, 50 centavos - imaginem no atacado... Claro q não sou tão ingênuo a ponto de pensar q discos são feitos só com mídia mais custo das gráfica pra capa, mesmo assim, se no passado, nunca entendi porque – os bons – eram tão caros, agora então é que não entendo nada mesmo.

Seu San, ainda no aguardo da amostra grátis do livro. E os correios, hein... Mais uma constatação da idéia “já foi bem melhor e/ou mais confiável no passado”? A culpa (tbm) é da internet? Quando chegará o serviço de teletransporte?

Sergio disse...

Em tempo: pra q não me considerem um cara-de-pau que desrespeita a sagrada lei Cacilda Becker. É amostra grátis mas terá lá na ponta (espero) algumas muitas compensações.

Érico Cordeiro disse...

Caros Raffaelli e Sérgio,
Ainda bem que o Donald se safou da cadeisa - infelizmente, o mercado de discos vive um momento terrível, mas as gravadoras tem muita culpa nisso. Não cuidaram de formar OUVINTES e sum meros CONCUMIDORES SEM QUALQUER ESPÍRITO CRÍTICO. É uma massa que chacoalha ao som de Ivetes e Luans, que cultua sujeitos como Bruno e Marrone e que não tem um pingo de apreço pela arte.
Lamentável esse panorama.
Mr. Sérgio, acho que o Jabutigrama tá chegando por aí!!!!
Abração aos dois!

Sergio disse...

Chegou! Grato (tbm) pela dedicatória.

Abraços.

.Edinho disse...

Caro Érico,
Que bom estar de volta a essas paginas !!!
Como sempre otima resenha e e muito bom o som de Frank Wess para acompanhar a leitura.
Abraços vascainos !!!

PREDADOR.- disse...

Se é bom eu elogio, se é ruim eu detono. Frank Wess, um dos expoentas da categoria, só pode receber elogios. Parabéns mr.Cordeiro pela escolha do disco e do músico. Como sempre nada a acrescentar a essa minuciosa abordagem sôbre a vida e carreira musical de Wess. Uma verdadeira aula, que nos faz relembrar os grandes momentos marcantes do jazz. Aproveitando, vou colocar mais um pouquinho de "lenha na fogueira", indicando alguns álbums desse fantástico músico: "Opus de Jazz (59), "Opus in Swing" (56) e "Opus de Blues" (59)(mencionados por mestre Raffaelli), juntamente com os também ótimos "I hear ya' talkin" (59), "Jazz for playboys" (56) e "North, South, East...Wess"(56) todos da Savoy, elém de "Wheelin' & Dealin'"(57) com John Coltrane e "After Hours"(57)com Thad Jones, ambos da OJC. Todos excelentes, apesar de alguns estarem fora de catálogo. É isso! e que venham os outros Franks... Strozier, Foster e Morgan, exímios saxofonistas de jazz.

PREDADOR.- disse...

Expoentas é ótimo...favor considerar como expoentes, no texto acima. É a famigerada pressa!

.Edinho disse...

Apareça lá em casa(Blog JazZona)!
Coloquei um disco do Joe Lovano & Hank Jones. Acho que você vai gostar!
Saudações Vascainas (É hoje)!

Érico Cordeiro disse...

Caríssimos Sérgio, Edinho (estamos na Libertadores, meu amigo!) e Predador,
Sejam muito bem-vindos!
Seu San, o Jabutigrama não falha. Leia seu e-mail!
Estava com saudades de você, grande Edinho - quer dizer que as comemorações do "niver" se estenderam até agora? Bacanudo mesmo!!!!
Ao detonador intergalático, estou preparando uma resenha que me faz ficar apreensivo: Gary Burton (lá vem detonador atômico).
Mas o disco é o ótimo For Hamp, Red, Gags e Cal).
Os Franks vão continuar a chegar no barzinho - e obnrigado pelas dicas (pena que boa parte desses discos seja muito difícil de encontrar).
Saudações cruzmaltinas (amanhã pegamos o Atlético Goianiense).
Abração!

pituco disse...

érico san,

sonzaço de baladeiro...piramidal

vou procurar por aqui os discos citados da trilogia...opus...também quero ouvir

abraçsons e curtidno a radiola

PREDADOR.- disse...

Repense o Gary Burton, "For Hamp..." Mr.Cordeiro. Agravantes: 1)disco da Concord: 2) Vibrafone já é difícil de aguentar e aí o homem me acrescenta xilofone e marimba. Haja Deus!; 3) Músicas Afro blue e João(será samba? ou o que?); 4) Participação do "congueiro" Luis Quintero; 4)Body and soul em rítmo de bossa nova (é demais para meus ouvidos). Ingredientes como estes certamente não representam, em hipótese alguma, um bom disco de jazz, aliás, com o pessoal que acompanha Burton, o referido álbum está mais para a categoria de mambos, rumbas e outros rítmos "latinosos". Atenuantes: não consegui encontrar. Disco enjoativo e plenamente dispensável. Se realmente for verdade a inclusão do mesmo em próximas postagens, estais detonado desde agora.

Érico Cordeiro disse...

Mestres Pituco e Predador,
Alegria imensa tê-los a bordo. Ao primeiro, digo que não conheço os discos mencionados, mas estão com os selos Raffaelli e Predador de qualidade - então vale a pena buscar!
Ao segundo, digo que o Burton é bacanudo e esse disco ainda mais. E para saber tantos detalhes sobre ele, é porque você já ouviu muito :-)
Lembra daquela fábula da Raposa e das Uvas - duvido se no player da espaçonava não rola uns bons discos do Burton (Like Minds, talvez?).
Abração aos dois!

PREDADOR.- disse...

Mr.Cordeiro, quanto aos detalhes do disco de Gary Burton, vou lhe contar uma historinha, que não é a do "boi tatá". Tenho um amigo que lidava com discos, desde os tempos do 78rpm e LP. No final dos anos 80e durante boa parte dos anos 90, trouxe, para comercializar em suas lojas, quase todos, senão todos, os álbums da Concord Jazz. Foram dezenas e dezenas de CDs. Acredite ou não: OUVÍ TODOS! Conseguí aguentar pouquissimos discos dessa Gravadora, e por certo os de Gary Burton não estavam incluídos. Dos poucos, que valiam a pena, salvaram-se Scott Hamilton ("Major league" e "Tenor shoes"); Ray Brown ("More makes 4"); dos grandes pianistas Dave McKenna ("No bass hit" e "You must believe in swing" e Dick Hyman ("Music of 1937-Maybeck Recital Hall"). E olhe que levei uns "quinhentos anos" ouvindo todo aquele "lixo sonoro" empregnado de arranjos pífios, músicas "pasteurizadas/latinizadas"e de grande "massa sonora", obtida através de gravadores e microfones especiais, estes sim a grande prioridade da Concord, que deixavam os discos sem aquela "alma jazzística". Meus conceitos e gosto musical pelo jazz não "combinam" definitivamente com os da gravadora do sr.Carl Jefferson, embora tenham passado por ela renomados músicos de jazz (Harry Edison, Ray Brown, Al Cohn, Stan Getz, Herb Ellis, Hank Jones......), todos em final de carreira. Para encerrar este assunto, como também para não criar conflitos, animosidades e infindáveis polêmicas, não irei me intrometer mais, não emitindo opinião em suas postagens enfocando discos da Concord. E, estamos conversado! Saudações vascainas! (Fernando Prass mais uma vez nos salvou).

Érico Cordeiro disse...

Vixe!
O homem, quer dizer, o alienígena tá com a corda toda!
Detonou a Concord, o Burton, o Carl Jefferson...
Não sobrou ninguém!!!!
Não precisa radicalizar, seu detonador de mundos, basta ter o espírito aberto para novas sonoridades - e acho que não tenho um disco ruim da Concord (tenho uns 60 a 70), incluindo coisas maravilhosas da Marian McPartland, Steve Kuhn, Frank Wess, Stan Getz, Ray Brown, Herb Ellis - o fato de muitos deles estarem "em final de carreira" não os diminui, pois creio que nenhum deles desaprendeu a tocar :-)
Falando nisso, em breve tem Julian Priester e Suan Getz (com disco da Concord -0 quero ver o que você vai dizer, pois é o ótimo Pure Getz).
Abração!/

PREDADOR.- disse...

O "Pure Getz" já começa mal logo na faixa 1: On the up and up, (parece rítimo de "bossa nova", será???), estendendo-se para as demais faixas, com baladas soníferas, arranjos "arrastados", repertório típico da Concord. Como prometí não vou mais opinar, comentar, ou sei lá o que, sôbre álbums dessa "famigerada" Gravadora. Estou colocando um PONTO FINAL aos assuntos musicais envolvendo a Concord Jazz, acrescentando que cada um tem o seu direito de escolha musical, e isto eu respeito.

Érico Cordeiro disse...

E o vídeo acima, não vai comentar?
Engraçado é que os guias tipo Penguin, Allmusic e vários outros dão a esse disco 4 estrelas!
O senhor tá precisando tomar um chazinho de maracujá de Plutão, que já vem bem geladinho!!!!

Maria - casas en merida disse...

Eu particularmente chamar a atenção muito em jazz, então eu recomendo que você para o artigo eo blog.
Maria

Érico Cordeiro disse...

Gracias, Maria.
Un abrazo directamente de Brasil!

RENAJAZZ disse...

http://lix.in/-8719c1
FRANK WESS
THE LONG ROAD

http://lix.in/-8a2703
FRANK WESS
SOUTHERN COMFORT

http://lix.in/-8ebae6
FRANK WESS
YO HO POOR YOU LITTLE ME

http://rapidshare.com/files/348816271/Mlt_Jcksn_-_ps_D_Jzz.txt

OPUS DE JAZZ

MESTRES ERICO E RAFFA AI ESTÃO OS DISCOS CITADO ACIMA COM OS LINK PARA BAIXAR.. UM FORTE ABRAÇO E MUITO OBRIGADO PELA AULA SOBRE FRANK WESS

RENAJAZZ disse...

BEM AINDA EM TEMPO

http://rapidshare.com/files/300425553/North__South__East..._Wess.7z
http://rapidshare.com/files/300422569/North__South__East..._Wess
FRANK WESS NORTH SOUT EAST WESS

http://rapidshare.com/files/272579387/Frank_Wess_-_Opus_In_Swing.7z
http://rapidshare.com/files/272584670/Frank_Wess_-_Opus_In_Swing_2.7z

FRANK WESS OPUS IN SWING

CONSEGUINDO OUTROS POSTAREI COM SUA PERMISÃO MEU CARO ERICO

Érico Cordeiro disse...

Meu caro Renajazz,
Valeu pelas dicas e fica aí a sugestão para conhecer um pouco mais sobre a obra do Wess!
Bom tê-lo a bordo efique à vontade - divulgar o jazz é a missão do barzinho :-)
Abraços fraternos!

rebeca disse...

Querido Eric, que maravillosa recopilación de este genero de música, muy dificil de conseguir en Inter. Gracias por tan agradable regalo.

Google Analytics