Amigos do jazz + bossa

segunda-feira, 2 de janeiro de 2012

O ELEGANTE MESTRE DO CONTRABAIXO



Reverenciado no meio musical como um dos mais refinados, versáteis e influentes contrabaixistas da história do Ron Carter é como vinho de ótima safra: a cada ano que passa ele parece tocar ainda melhor. Poucos músicos participaram de tantas gravações quanto Carter – estima-se que tenha atuado em cerca de 2.000 delas – o que o torna o baixista mais requisitado do jazz, ultrapassando os veteranos Milt Hinton e George Duvivier, cujas atuações nos estúdios também chegam à casa dos milhares.

Nascido no dia 4 de maio de 1937, em Ferndale, estado do Michigan, este notável instrumentista, arranjador, compositor, educador e regente teve o seu interesse pela música despertado aos dez anos de idade, quando iniciou os estudos do violoncelo. Algum tempo depois, mudou-se com a família para Detroit, onde deu continuidade aos estudos na Cass Technical High School.

Após a conclusão do ensino médio, matriculou-se na Eastman School of Music, tendo feito parte da orquestra filarmônica daquela instituição. Graduou-se bacharel em 1959, com apenas 22 anos e até então se dividia entre a música erudita e o jazz. Ainda naquele, casou-se com a professora de literatura e ativista Janet C. Carter, que no futuro seria fundadora e curadora do Studio Museum, no Harlem.

Carter era bastante consciente das dificuldades e do preconceito racial que enfrentaria para se consolidar como músico erudito. No final dos anos 50, uma conversa que teve com o temperamental regente inglês Leopold Stokowsky acabou por encaminhá-lo definitivamente em direção ao jazz. O maestro, que na época comandava a Orquestra Sinfônica de Houston, disse-lhe certa vez, após ouvi-lo tocar: “Rapaz, você toca contrabaixo maravilhosamente bem. Mas eu trabalho em Houston e a minha orquestra jamais o contrataria”.

Em 1960, mudou-se para Nova Iorque, onde fez mestrado em performance de contrabaixo, na Manhattan School of Music, obtendo o título de mestre no ano seguinte. Para se manter, Carter começou a atuar como sideman do pianista Jaki Byard e do baterista Chico Hamilton, além de Eric Dolphy (com quem fez as suas primeiras gravações) e do trompetista e bandleader Don Ellis.

Ao mesmo tempo, foi se consolidando como um dos mais confiáveis músicos de estúdio, registrando participações em discos de Randy Weston, Bobby Timmons, Thelonious Monk, Wes Montgomery e Cannonball Adderley. Seu primeiro disco como líder, “Where?”, foi gravado em 1961, para a Prestige, e apresenta Carter dividindo-se entre o contrabaixo e o violoncelo. O álbum conta com as participações de Eric Dolphy, Charles Persip, George Duvivier e Mal Waldron.

Em 1963, Carter assumiu o contrabaixo na banda do trompetista Art Farmer e, nessa posição, despertou o interesse de Miles Davis, que na época estava montando um novo grupo. Convidado por Davis, Carter disse que só sairia da banda se o patrão concordasse com a sua saída. Miles não se fez de rogado e conseguiu convencer Farmer a liberar o baixista.

O quinteto de Davis, do qual Carter fez parte, é considerado um marco na história do jazz. Além do baixista e do líder, o time era completado por Herbie Hancock, Tony Williams e George Coleman (posteriormente substituído por Wayne Shorter). À frente desse grupo, um dos combos mais influentes de todos os tempos, Miles lançou álbuns espetaculares, como “E. S. P.” (1965), “Miles Smiles” (1966) e “Nefertiti” (1967). Daquela época, ele guarda apenas boas recordações: “Sabíamos que estávamos criando algo diferente do que todos os outros músicos faziam naquele momento, mas ainda não tínhamos idéia do nível (de qualidade) daquela música”

O elegante Carter jamais tornou pública qualquer desavença que possa ter tido com Miles. Ao contrário, suas palavras em relação ao temperamental trompetista são sempre elogiosas, tendo declarado em uma entrevista recente: “Jamais tive algum tipo de problema com Miles, que sempre foi um bom amigo. Eu adorava tocar com ele e, com certeza, todos sentiam um enorme prazer em tocar naquele quinteto. Tivemos muita sorte ao sermos escolhidos para tocar com um músico tão especial. Miles foi capaz de perceber que poderíamos levar sua música na direção que ele desejasse.”

E os elogios não param por aí. Em outra oportunidade, Carter se manifestou nos seguintes termos: “Suponha que você trabalhe num laboratório cujo cientista responsável pedisse para você criar uma fórmula diferente por dia. Com Miles, era assim. Ele nos dava espaço para criar e fazer experimentações a cada noite. E deve ter gostado muito do meu trabalho, pois nunca chamou minha atenção”.

A parceria com Davis se encerraria em 1968, quando Carter resolveu se dedicar a outros projetos, deixando em seu lugar um jovem contrabaixista inglês chamado Dave Holland. Apesar de não ser mais um membro efetivo da banda de Miles, Carter ainda participaria de mais algumas gravações com o ex-patrão nos anos seguintes, geralmente tocando contrabaixo elétrico, embora o instrumento nunca tenha sido o seu preferido.

A separação se deu por motivos eminentemente musicais e os dois continuaram amigos. Carter revela que “aquele tipo de música não me interessava. Não havia nela algo que eu sentisse que poderia contribuir para eu me tornar um músico melhor”. Ademais, continua o baixista, “a banda de Miles estava viajando muito e, depois de passar cinco anos na estrada, achei que já estava na hora de ficar mais em casa, para ver meus filhos crescerem. Além disso, já havia muitas sessões de gravação em Nova York, onde eu teria a chance de ganhar a vida, ficando ao lado de minha família”.

No início dos anos 70, Carter acumulou as funções de produtor e diretor artístico da CTI Records, companhia fundada por Creed Taylor. Ali, lançou vários álbuns em seu próprio nome e atuou em dezenas de gravações acompanhando artistas como Wes Montgomery, Herbie Mann, Paul Desmond, George Benson, Milt Jackson, Jim Hall, Nat Adderley, Antonio Carlos Jobim, J. J. Johnson, Kai Winding, Eumir Deodato, Esther Phillips, Freddie Hubbard, Stanley Turrentine, Kenny Burrell, Chet Baker, Herbie Hancock e uma infinidade de outros.

Ainda naquele período, entrou para o departamento de música do City College of New York, onde lecionaria por mais de duas décadas, aposentando-se no cargo de Professor Emérito. Dentre os seus alunos mais célebres, estão os hoje celebrados David Wong (da banda de Jimmy Heath), David Williams (que substituiu o próprio Carter no Sweet Basil Trio, liderado pelo pianista Cedar Walton), Victor Bailey (que substituiu o “insubstituível” Jaco Pastorius no Weather Report) e Larry Grenadier (baixista do trio de Brad Mehldau).

Carter participou de diversos projetos ou grupos allstar, como o New York Jazz Sextet, o New York Jazz Quartet, o V.S.O.P. Tour (integrado pelos ex-membros do quinteto de Miles Davis Herbie Hancock, Tony Williams e Wayne Shorter, com Freddie Hubbard assumindo o trompete), o Great Jazz Trio (sob a liderança de Hank Jones em uma formação que incluía Tony Williams na bateria) e o Milestone Jazzstars. O baixista também participou das trilhas sonoras dos filmes “Round Midnight”, de 1986, e “Bird”, de 1988.

A lista de nomes com os quais Carter tocou é gigantesca e inclui luminares como Tommy Flanagan, Gil Evans, Yusef Lateef, Bill Evans, Cecil Payne, Dexter Gordon, Benny Golson, Sonny Rollins, Billy Cobham, Stan Getz, Coleman Hawkins, Joe Henderson, Horace Silver, Shirley Scott, Helen Merrill, Dizzy Reece, Houston Person, Junior Mance, Red Garland, Sadao Watanabe, Sam Rivers, Lee Morgan, McCoy Tyner, Freddie Hubbard, Cedar Walton, Jim Hall, Lou Donaldson, George Duke, Chick Corea, Lena Horne, Luiz Bonfá, Joe Henderson, Barry Harris, Oliver Nelson, Woody Shaw, Andrew Hill, Duke Pearson, Gary Bartz, Quincy Jones e Aretha Franklin, apenas para citar alguns.

Além do violoncelo e do contrabaixo convencional, muitas vezes Carter utiliza sua técnica impecável para tocar o contrabaixo piccolo, instrumento que possui uma sonoridade mais aguda e menos encorpada. Em suas aparições como líder Carter, freqüentemente, incorpora outro contrabaixista a seu grupo, a fim de assegurar uma base rítmica mais sólida.

Versátil como poucos, o baixista consegue se adaptar a qualquer contexto, indo da soul music de Roberta Flack ou do rock do Jefferson Airplane, passando pela bossa nova de Astrud Gilberto e chegando ao hip hop da banda A Tribe Called Quest. Sobre o fato de ser um dos músicos mais requisitados do planeta é encarado por ele com muito bom humor: “Às vezes eu me surpreendo com o fato de artistas e bandas famosas saberem que eu ainda estou vivo”.

E mesmo sendo tão respeitado, Carter não perde a humildade: “Toda vez que músicos como Paul Simon ou Aretha Franklin me chamam para participar de seus projetos, eu me sinto muito agradecido. É ótimo saber que James Brown ou a banda Kiss, para a qual gravei com um naipe de cordas, pensaram que eu poderia contribuir para que seus projetos musicais fossem bem sucedidos.”

Sempre conciliando o trabalho como sideman, com a liderança de seus próprios conjuntos, Carter vem construindo, nos últimos quarenta anos, uma alentada obra, que se encontra espalhada em selos como Atlantic, CTI, Milestone, Timeless, EmArcy, Galaxy, Somethin’ Else, Elektra, Concord, Prestige e Blue Note, sendo que em alguns discos ele se dedica ao repertório clássico, interpretando peças de Bach, Grieg e Ravel.

Uma pequena jóia se esconde no meio dessa discografia repleta de álbuns premiados, como “All Blues” (CTI, 1973) ou “Dear Miles” (Blue Note, 2007). Trata-se de “Third Plane”, um disco pouco badalado, mas que traz a arte superior de Carter em toda a sua plenitude. Acompanhado pelos velhos parceiros Herbie Hancock ao piano e Tony Williams na bateria, o disco foi lançado pela Milestone e as gravações ocorreram em uma única sessão, no dia 15 de julho de 1977, em San Francisco, na Califórnia. Para que se tenha uma idéia da qualidade do material, basta dizer que os rigorosos Richard Cook e Brian Morton qualificam o álbum como “a mais impressionante aparição de Carter como líder”.

A faixa que dá nome ao disco, e que também abre os trabalhos, é uma composição do líder. Trata-se de uma curiosa valsa-bop, com uma batida que em algumas passagens lembra a estrutura sincopada do nosso samba – cortesia do sempre inventivo Williams. Atenção para o trabalho de Hancock, que cria as chamadas “patterns” (repetições sucessivas de acordes) com extrema perícia. O baixista trafega pelos registros mais graves do seu instrumento, despejando uma sonoridade que o mestre Luiz Orlando Carneiro chama de “ressonante e oblonga”.

“Quiet Times”, também de autoria de Carter, é uma balada de contornos impressionistas. Sua melodia é pouco convencional, dissonante, quebradiça e repleta de alternâncias. O líder tem uma atuação antológica, investigando minuciosamente todas as possibilidades harmônicas do contrabaixo, equilibrando-se entre o classicismo de Milt Hinton ou Oscar Pettiford e a abordagem ousada de seus contemporâneos Gary Peacock ou Charlie Haden. Williams e Hancock fazem a ancoragem rítmica com sutileza e discrição.

Williams contribui com a vibrante “Lawra”, a mais animada do disco. É um bebop contemporâneo, com algumas passagens assimétricas, que lembram os temas complexos de Wayne Shorter, outro egresso do célebre quinteto de Miles. O baterista produz aqui alguns dos seus solos mais empolgantes, e a interação entre os três se dá ao nível do inconsciente, em um exercício de telepatia que junta intuição e técnica em doses formidáveis.

Único standard do disco, “Stella By Starlight” ganha uma interpretação introspectiva, com direito a uma atuação soberba de Hancock. O pianista enfatiza os aspectos melódicos com enorme sensibilidade e lirismo, sublinhando as passagens mais densas com uma primorosa utilização dos registros agudos. Carter agrega profundidade ao tema, enquanto Williams se mostra um verdadeiro mestre com as escovas.

Terceira composição de Carter incluída no álbum, “United Blues” é uma subversiva releitura dos cânones do blues, com um leve flerte com o jazz de vanguarda. Os solos do líder são vigorosos e fluentes, merecendo atenção também as luxuriantes intervenções de Hancock e a percussão repleta de nuances de Williams.

Em “Dolphin Dance”, uma das mais belas composições de Hancock, o trio cria uma atmosfera onírica e envolvente, perpetrando um verdadeiro tributo à elegância e à sobriedade. O contrabaixo musculoso do líder se curva à languidez da melodia e derrama acordes de genuína emoção. Um encerramento à altura do disco, que “apresenta excelentes solos de contrabaixo e onde tudo faz sentido, sendo muito bem construído e executado”, nas palavras dos já citados Richard Cook e Brian Morton.

Além do jazz e da música erudita, Carter é um apaixonado pela música brasileira, tendo tocado com dezenas de artistas brasileiros, como Hermeto Pascoal, Flora Purim, Milton Nascimento, Airto Moreira, Rosa Passos e os já citados Tom Jobim, Luiz Bonfá e Astrud Gilberto. A paixão pelo Brasil é tanta que no encarte do disco “The Golden Striker” o baixista veste uma camisa do Botafogo, além de ter dedicado um álbum inteiro, “Orfeu” (Blue Note, 1999), à música brasileira. Para o baixista, “se alguém do Brasil ligar para mim agora, querendo que eu contribua com seu projeto, ficarei muito feliz se puder participar.”

Ao longo da carreira, Carter tem recebido uma infinidade de prêmios, além de ter vencido, sistematicamente, as eleições para “melhor baixista do ano” promovidas por revistas especializadas como a Down Beat e a Metronome. Já chegou a ser considerado “The Most Valuable Acoustic Bass Player”, pela National Academy of Recording Arts and Sciences e recebeu a denominação de “Outstanding Bassist of the Decade”, pelo jornal Detroit News.

Ele também exerceu, durante vários anos, o cargo de diretor artístico do Thelonious Monk Institute of Jazz Studies. O título de Jazz Master, maior honraria a que um músico de jazz pode aspirar, lhe foi concedido pela NEA - National Endowment for the Arts em 1998. Carter também recebeu do governo da França o título de “Cavaleiro da Ordem das Artes e das Letras”, a mais importante comenda na área artística daquele país.

Carter abocanhou vários prêmios Grammy. O primeiro deles foi em 1993, na categoria “Best Jazz Instrumental Group”, quando integrava o Miles Davis Tribute Band. Em 1998 foi a vez de receber o prêmio de melhor composição, para “Call ‘Sheet Blues”, que acabou incluída na trilha sonora do filme “Round Midnight”, de Bertrand Tavernier. O baixista também barticipou da trilha de outro filme dirigido pelo francês, “The Passion of Beatrice”.

“Haraka” (1980), dirigido pelo nigeriano Ola Balogun e “A Gathering of Old Men” (1987), estrelado por Richard Widmark, Holly Hunter e Louis Gossett Jr. são outros trabalhos cinematográficos que contam com a participação de Carter em suas respectivas trilhas. Ele também realizou trabalhos para a TV, podendo ser ouvido na trilha sonora da série “Twin Peaks”, do cultuado diretor David Lynch.

Na área da educação musical, seus livros “Building Jazz Bass Lines”, “Comprehensive Bass Method” (este na area da música erudite), “Ron Carter’s Bass Lines” e “The Music of Ron Carter” (que contém partituras de cerca de 130 de suas composições. Em 2004, o baixista recebeu o doutorado honorário da tradicional Berklee College of Music, juntando-se a outros títulos da mesma natureza, concedidos pelo New England Conservatory of Music e pela Manhattan School of Music.

Outra premiação outorgada por uma instituição de ensino de renome foi o “Hutchinson Award”, concedido em 2002 pela University of Rochester. Desde 2008 ele exerce a função de professor de contrabaixo na Juilliard School, em Nova Iorque. Em 2009, lançou a sua autobiografia, “Ron Carter: Finding the Right Notes” (Artist Share), escrita em parceria com o jornalista Dan Oullette.

Para V. A. Bezerra, do site Ejazz, as principais características do instrumentista Ron Carter seriam “som encorpado, rico timbre “de madeira”, afinação perfeita, improvisos bem desenvolvidos e swing impecável”. Carlos Calado observa que “diferentemente da maioria dos baixistas, que se limitam a marcar o ritmo com notas básicas, ele é um solista criativo, que usa esse instrumento para improvisar”.

Carter reverencia a tradição, mas com o olhar voltado para o futuro e sempre sob uma perspectiva coletivista. Embora seja um excepcional solista, ele é incapaz de sacrificar a harmonia do grupo e jamais utiliza o seu assombroso talento para ter mais visibilidade que seus companheiros de banda. Essa postura fica bastante evidente quando ele descreve a importância do jazz em sua vida: “Essa é a música que eu sempre quis tocar. O jazz permitiu que eu pudesse participar de muitos trabalhos, nesses anos todos, tocando com pessoas das quais acabei me tornando amigo. É um privilégio poder tocar boa música todas as noites

O Brasil tem sido parada obrigatória para as apresentações do baixista nas últimas décadas. A última vez em que esteve em nosso país foi em outubro deste ano, liderando o quarteto Foursight, do qual fazem parte a pianista canadense Renée Rosnes, o baterista Payton Crossley e o percussionista Rolando Morales-Matos. O grupo se apresentou no Sesc Pinheiros, em São Paulo, durante quatro noites, sempre com casa lotada. O repertório foi baseado no álbum “Dear Miles” (Blue Note, 2007), e incluiu standards como “My Funny Valentine” e “Bye Bye Blackbird”, alguns dos temas preferidos de Miles Davis.

=======================


22 comentários:

pituco disse...

érico san,

sou fã de master carter...seu contrabaixo tocou quase toda música do século xx....não é vero???

ouço a radiola com esse discaço postado...valeô

abrçsonoros e começamos o ano bacanudamente...

renajazz disse...

feliz ano novo grande mestre erico amigos do barzinho

http://www.mediafire.com/?ub1t7pgwmo9x7bh
barris harris trio
Barry Harris
Magnificent!
PR 7733


NYC, November 25, 1969
Personnel:
Barry Harris (p)
Ron Carter (b)
Leroy Williams (d)





http://www.mediafire.com/?0f7fiech2ot4wkn
gil evan orquestra - out of the cool

http://www.mediafire.com/?cqsfiqvbfkw81he

Pepper Adams
Encounter!
PR 7677 [also issued on Original Jazz Classics OJCCD 892-2]


NYC, December 11 & 12, 1968
Personnel:
Zoot Sims (ts)
Pepper Adams (bars)
Tommy Flanagan (p)
Ron Carter (b)
Elvin Jones (d)


http://www.mediafire.com/?s9jdn95vt3u5jnm

Coleman Hawkins
Night Hawk
PR 7671 [reissue of Swingville SVLP 2016]


Rudy Van Gelder Studio, Englewood Cliffs, NJ
December 30, 1960
Personnel:
Eddie "Lockjaw" Davis, Coleman Hawkins (ts)
Tommy Flanagan (p)
Ron Carter (b)
Gus Johnson (d)
forte abraço a todos vascoooo

Érico Cordeiro disse...

Caríssimos Pituco e Renato,
Sejam muito bem-vindos e que 2012 seja um excelente ano!
O Ron Carter passeia pelos ritmos e estilos com sobriedade e competência - é um craque!
Quanto aos links, Renato, muito obrigado! Que os amigos do barzinho se deliciem - esse magnificent, em particular, é fantástico - um dos melhores do Barry Harris!
Grande abraço aos dois!

figbatera disse...

Eu tb curto demais o mestre Carter.
Mais uma "muito ótima" postagem com informações e músicas preciosas.
Abração e FELIZ ANO NOVO (de novo).

Érico Cordeiro disse...

Valeu, meu caro Fig.
Um ótimo 2012 pra todos nós.
E muito som rolando por aí.
Abração!

PREDADOR.- disse...

Um Feliz 2012 para todos, na esperança que o mundo, conforme previsto pela antiga civilização Maia, não se acabe. Quanto a sua postagem, seria uma indelicadeza detoná-lo logo de início mr.Cordeiro, mas, Tonny Williams?, Herbie Hancock??, "Third Plane"???..... é demais para meus ouvidos. Estou fora! Por que não reportar Aaron Sachs, Ronnie Ross, Dave Pell, Jimmy Giuffre, Joanne Grauer, Pat Moran, Herbie Harper, Guy Lafitte, Don Rendell e tantos outros?? Aguentar, logo no início do ano, Tony Williams, Herbie Hancock, Ron Carter anos 70 é DOSE!!!!

MJ FALCÃO disse...

Bom Ano 2012, ouvindo o grande Ron Carter! Tudo de bom para você, amigo Érico!
Bom Ano para todos os amigos que o visitam, também,
Um ano com música, livros e inspiração, claro. E Jazz!
o falcão

renajazz disse...

achei mais alguma coisa

http://www.mediafire.com/?x31fct1e1fpsbw9
Bobby Hutcherson Quintet - Live at Yoshi's
Unpublished show from July 1996

1 Blues for DP
2 Teddy
3 Tu Way Pock-e-Way
4 Little Waltz
5 Highway One

Bobby Hutcherson vibes
Benny Green piano
Jaron Jackson tenor sax
Ron Carter bass
Joe Chambers drums

http://www.mediafire.com/?5fnjvzdtzym

Miles Davis Quintet - The Complete Copenhagen Concert
Danish radio broadcast
Magnetic 1964 [uber std mp3]

1) Autumn Leaves
2) So What
3) Stella by Starlight
4) Walkin'
5) All Of You
6) Joshua
7) The Theme

Miles Davis trumpet, Wayne Shorter tenor sax
Herbie Hancock piano, Ron Carter bass
Tony Williams drums

Érico Cordeiro disse...

Caríssimos Predador, MJ Falcão e Renato,
ejam mais que bem-vindos!
O Predador parece que passou o réveillon no gelado Plutão, sem direito a cervejinha saturniana e pinga marciana - já começou o ano zangado :-)
Caramba, mas esse disco é fenomenal - versões lindíssimas de Dolphin Dance e Stella By Starlight, além de muita coisa boa - aciona a radiola, meu querido alienígena. E advinha o que estou ouvindo? Kind of New, do Donald Harrison, com releituras das músicas do fantástico Kind of Blue!
MJ Falcão, a sua presença é sempre ensolarada - prenúncio de coisas boas, como jazz, amizade, livros, poesia... Obrigado por sua presença cativante!
Mr. Renajazz, inveja por não ter podido ir na reunioão da AND - muita gente boa, como meus amigos carlos Müller e Maurício Einhorn, sob a batuta do grande Lula - em março estarei aí novamente e vê se não some, ok?
Grande abraço aos três!

Sergio disse...

Pois é, seu san, eu tbm tenho um pé atrás com o Ron...

Mas vfim mais pra te agradecer pela ligação no 31/1 de janeiro. O rio de janeiro continua rindo. Chovia, mr. E quando o amigo me ligou eu estava revoltado. Sei q minha revolta não respingou no amigo, mas eu queria só lembrar o q te falei, pq eu tava doidio... mas dodio, dodio, dodio!

Num butiquim sem laje (o leblon ainda tem dessas coisas...) O pé sujo mais sujin do Planeta Terra, te juro. O nome é Para Pedro (lembra da música) "Era um baile lá na serra
Na fazenda da ramada
Foi por lá que um tal de Pedro
Se chegou de madrugada"

Pois é.

Mas o Pára Pedro tem uma particularidade: no dia do juízo final, feriado mundial. Pode vir pra cá, Rua Afrânio de Melo Franco, o Para Pedro vai tá aberto. E só vai sobrar ele (o buteco) e as barata.

Érico Cordeiro disse...

Êêêêêêêêê! Grande Sérgio,
Nem percebi o seu estado etílico naquele dia!
Mas vc traindo o nosso glorioso Dudu?
Pô eu ainda nem fui lá provar a esfiha...
Mas em março a gente bebe, quer dizer, conversa...
No Dudu ou no inacreditável Pára Pedro!
Ron Carter é maravilhoso - tenho pelo menos uns 12 discos sensacionais do cara.
Give Ron a chance, já dizia Lennon!
Abração.

coimbra disse...

Mestre Cordeiro,
Ron Carter, sim e, com quem mais poderia ser ? Herbie Hancock e Tony Willians.
Dolphin Dance, sim. Esse precioso tema tive o privilégio de ouvi-lo, ao vivo, pelas mãos do próprio Hancock, na minha terrinha pequenina, no Tim Fest.
Depois do espetáculo ele ficou na beira do palco conversando com uma turma, na qual estava eu e um gaiato que gritou:"We want Miles Davis..."
Hancock, educadamente colocou a mão no peito e disse: " I am Miles Davis."
Bom começo de ano.
Um abraço.

Érico Cordeiro disse...

Mr. Coimbra,
Sempre muito bom tê-lo a bordo - 2012 já se prenuncia um grande ano!
Esse trio é formidável - adoro a sonoridade do Ron Carter - pena que nunca tive a chance de vê-lo.
Quanto ao Hancock, é um gigante! Dolphin Dance, Watermellon Man, Cantaloup Island... como diria outro capixaba ilustre: "São tantas emoções..."
Grande abraço, meu caro - We want Miles!!!!

MaJor disse...

Contrabaixo de cordas, instrumentinho difícil, parece fácil, aquelas 4 cordinhas e tal, mas não é,até para carregar é dose! Sempre fui fã incondicional do contrabaixo (aliás tenho preferência pelos graves de um modo geral).
Se não me engano foi Teddy Wilson que orientando a Billie Holiday disse:-"esqueça o piano e bateria e para manter o ritmo se liga no contrabaixo"
Carter, Ray Brown, Paul Chambers, Milt Hinton e Neil Pedersen para mim são os maiores, mas a grande maioria é muito boa.
Com Ray Brown tive uma emoção incomparável, em um Free Jazz ao final de sua apresentação com trio, o pessoal em pé e palmas e mais palmas, resolveu dar um bis. E sozinho fez um medley de hits de Ellington e estava eu ali a 2m dele, maravilhoso.
Abraços

Érico Cordeiro disse...

Caríssimo MaJor,
É uma enorme alegria recebê-lo no barzinho!
Também sou fã do contrabaixo - ô instrumento que faz um som bonito, sô! Ray Brown, Paul Chambers, Milt Hinton e Neil Pedersen também estão entre meus favoritos, junto com o Carter e o Sam Jones (esse pinta por aqui qualquer hora dessas).
E que inveja de poder assistir o grande Ray Brown assim, de tão pertinho!
Esse Teddy Wilson (outro que vai dar as caras por aqui brevemente) sabe das coisas!
Grande abraço!

Biratan disse...

Master Érico. Muito top o seu blog de Jazz. Já vin que és um expert no assunto. Já linkei v. lá no biratancartoon. E v. pode publicar no seu blog as caricaturas de letras da turma do jazz. Basta pescar no marcador Caricaturas de letras.
abs. biratan

Érico Cordeiro disse...

Prazer em recebê-lo aqui, meu caro Biratan.
Já coloquei um dos seus cartuns aqui, com link pro seu blog.
Obrigado pelas palavras generosas e volte sempre aqui no barzinho, ok?
Abração!

Anônimo disse...

2. Double Facebook return Google+ more you site you are crave profile, you're on the loose Instagram provincial result. Even is unorthodox setup approach.
6. It's Following got hard by Easier Conducive to you atop Instagram, forebears they're animal inundated with respect to SPAM quickly your connection consideration. Patrons are helter-skelter you here than every second Network, Although you slot photos lose concentration your freight promote Instagram. dread simpler build you score fans. An eye to Instagram certainly hyperlinks here your Facebook added balances, inundation [url=http://lv-bags-outlet.com]louis vuitton knockoff handbags[/url] temporarily inactive these bop systems be worthwhile for you painless well. equivalent interpersonal petition - cooperate (comment coupled with "like") stand your webbing assemblage FIRST. Exceeding Instagram, they hold to back.
There's plus momentarily you carry your dwelling-place or give a reason for Instagram befit trade name making. Employing your iPhone or Android, you zephyr fraternize with picture, edit, add, set (remember nearby #hashtag keywords), quota your answer brand's regimen minutes.
Conclusion: Magnitude does sob beside you fellowship opportunities turn this way internet marketers are very much with, Instagram could peeve easiest outwit fun-to-use cultural expressing multilevel beyond your enterprise' far your online advocate base. With our witter Networking align oneself commenced on Instagram around your business.
1. Instagram is Immediate

Anônimo disse...

Good way of describing, and nice paragraph to get data
regarding my presentation topic, which i am going to present in college.
Review my web site perfumes baratos

Anônimo disse...

buy ativan lorazepam ratiopharm 1mg wirkung - buy ativan fedex

Anônimo disse...

http://acheterviagragnerique1.net/ commander viagra
http://comprarviagragenerico1.net/ viagra
http://acquistareviagragenerico1.net/ viagra acquistare
http://kaufenvaigragenerika1.net/ viagra preise

Anônimo disse...

I seldom leave responses, but i did a few searching and wound up here "O ELEGANTE MESTRE DO CONTRABAIXO".
And I do have a couple of questions for you if it's allright. Could it be just me or does it appear like some of these comments appear like left by brain dead visitors? :-P And, if you are posting at additional online social sites, I'd like to follow everything
fresh you have to post. Could you make a list of every
one of your community sites like your twitter feed, Facebook page or linkedin profile?


Also visit my webpage :: www.wangxiaoxin.net

Google Analytics