Amigos do jazz + bossa

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O ADMIRÁVEL REQUINTE DA SIMPLICIDADE



O pianista, arranjador, compositor e bandleader Theodore Shaw Wilson nasceu no dia 24 de novembro de 1912 em Austin, no Texas. Em 1918 muda-se com a família para Tuskegee, no Alabama. Estudou piano e teoria musical no “Tuskegee Institute”, entidade voltada ao ensino da população afro-americana, que na época era dirigida pelo lendário militante da causa negra Booker T. Washington.

Além do piano, o pequeno Wilson também aprendeu a tocar violino, oboé e clarinete, sempre incentivado pelos pais. Durante os verões, Teddy costumava visitar a cada de uma tia, em Detroit, onde se deliciava ao som da orquestra de Fletcher Henderson e dos “McKinney’s Cotton Pickers”, que teve a oportunidade de assistir ao vivo. Ali também ouvia gravações do tenor italiano Enrico Caruso e de expoentes da música erudita.

Seu primeiro contato com o jazz veio por intermédio de gravações de Louis Armstrong, Bix Beiderbecke e Fats Waller, sendo que este, juntamente com Earl Hines, foi a sua primeira grande influência ao piano. Wilson também estudou música no “Talladega College”, atuando na orquestra daquela instituição de ensino como violinista e pianista. Em 1929, com apenas 17 anos, foi contratado para integrar a orquestra de Lawrence “Speed” Webb, em Detroit.

Ali, tornou-se amigo de outra futura lenda do jazz, o trompetista Roy Eldridge. O pianista permaneceu na banda de Webb até 1931, quando foi contratado para substituir o genial Art Tatum na orquestra de Milton Senior, na cidade de Toledo, Ohio. Tatum já era um dos mais importantes músicos do jazz e tornou-se, além de fonte de inspiração, um grande amigo de Wilson. O pupilo relembra seu convívio com o ídolo: “Art foi o sujeito mais bem dotado para a música que jamais vi na minha vida, algo milagroso, como o atacante que faz um gol em cada ocasião que tem a bola. Dava-me atenção especial e, sempre que eu pedia, ele se detinha e voltava a tocar lentamente cada passagem, para ensinar-me a digitação que havia utilizado”.

Ainda em 1931, nova mudança, desta feita para Chicago, Illinois, onde Wilson assumiria o piano na orquestra de Erskine Tate. Conhecido por sua exigência e por ser um emérito descobridor de talentos, ate empregou em sua orquestra expoentes como Louis Armstrong, Freddie Keppard, Buster Bailey e Omer Simeon entre outros. Em seguida, Wilson passaria por várias outras orquestras de Chicago, destacando-se as de Clarence Moore e Eddie Mallory.

Se havia qualquer dúvida de que seu futuro profissional estaria na música, esta se dissipou depois que Teddy se estabeleceu em Chicago. Mais do que nunca, tudo o que ele queria era tocar – e sempre contou com o apoio dos pais para atingir seus objetivos. Em uma entrevista, ele declarou: “depois de conhecer a música de Detroit e de Chicago, sempre pensei que aqueles que querem ser médicos ou maestros não sabem o que estão perdendo”.

Em 1932 o pianista participou de sua primeira gravação, sob a liderança de Benny Carter (apenas um tema foi gravado na ocasião, “Tell All Your Dreams To Me”). De janeiro a março de 1933 Teddy integrou a banda de Louis Armstrong, juntando-se em seguida, à “Grand Terrace Cafe Orchestra” de Earl Hines. Com Armstrong, o pianista realizou cerca de duas dezenas de gravações, para a RCA Victor. O lendário trompetista foi fundamental para o crescimento de Wilson: “tocar com Armstrong todas as noites era como freqüentar uma verdadeira escola. Ele era um mestre incrível e jamais tocava uma nota que não estivesse carregada de sentido musical”.

Após tocar com o clarinetista Jimmie Noone, Wilson, incentivado pelo produtor John Hammond, decide se mudar para Nova Iorque, em outubro de 1933. Seu primeiro trabalho foi na banda de Benny Carter, com a qual atuou no espetáculo “Chocolate Dandies” e também realizou várias gravações. Ele também fez alguns trabalhos com a cantora Mildred Bailey e com o clarinetista Mezz Mezzrow nesse período.

De acordo com John Hammond, importante produtor e filho de uma rica família (mãe pertencia à família Vanderbilt), a primeira esposa de Wilson, Irene Eadie Wilson (que além de excelente pianista é autora do clássico “Some Other Spring”), foi de fundamental importância na formação pessoal e profissional de Teddy. Graças à esposa, o pianista aprimorou a sua mão esquerda, desenvolveu seu estilo, dando ênfase às mudanças de andamento e à regularidade rítmica, e tornou-se um espectador assíduo de concertos de pianistas eruditos, como o austríaco Rudolf Serkin e o francês Robert Casadesús, de quem Wilson se tornaria amigo pessoal.

No dia 22 de maio de 1934, Teddy realiza a sua primeira gravação de piano-solo. Em setembro do mesmo ano, inicia uma parceria com o vibrafonista Red Norvo, que seria retomada em diversas ocasiões futuramente. Naquele período, o pianista fazia parte da orquestra de Willie Bryant, um trompetista, cantor e bandleader de Nova Orleans, que trabalhou com a lendária Bessie Smith, no musical “Buck And Bubbles”. A banda de Bryant era atração fixa do “Savoy Ballroom” e dela faziam parte luminares como Benny Carter, Ben Webster e Cozy Cole.

Wilson deixou Bryant no início de 1935, para assumir o piano do grupo de gospel “The Charioteers”. Ainda naquele período e novamente por sugestão de John Hammond, ele também montou diversas pequenas orquestras de estúdio, selecionando seus parceiros junto às orquestras de Count Basie, Duke Ellington e Cab Calloway. Os vocais, geralmente, ficavam a cargo da cantora Billie Holiday, daí nascendo a cumplicidade musical entre os dois.

Essas gravações, para selos como Columbia, Vocalion e Brunswick, eram firmemente assentadas no swing e feitas à base de standards, para abastecer as populares jukeboxes. Graças a elas, cantoras da estirpe de Lena Horne, Helen Ward e, obviamente, Bille Holiday, consolidaram seus nomes junto ao público. Os acompanhantes eram de primeiríssima linha, tais como Lester Young, Roy Eldridge, Johnny Hodges, Cozy Cole, Sid Catlett, Charlie Shavers, Red Norvo, Buck Clayton e Ben Webster, apenas para nominar alguns.

Wilson recorda com carinho as gravações históricas que realizou com lady Day: “Essas sessões foram pura delícia e eu jamais havia ouvido quem cantasse como Billie. Ela podia dizer apenas um ‘olá’ ou um ‘bom dia’ e já tínhamos uma experiência musical. Sua maneira de cantar era um reflexo fiel de todas as suas experiências de vida, da sua carga psicológica e da sua personalidade”.

Sobre os músicos participantes suas palavras não eram menos elogiosas: “eles eram a nata das grandes bandas. Quando Duke Ellington estava na cidade, eu chamava Johnny Hodges e Harry Carney. Quando Basie estava por perto, tocávamos com Lester Young e Buck Clayton. Jamais se poderia reunir semelhante conjunto de músicos para tocar em público e o mais incrível é que essas sessões custavam vinte dólares para cada 03 horas de gravação”.

Em novembro de 1935, uma gravação reuniu novamente Wilson e Billie Holiday, desta feita sob a condução de Benny Goodman. O clarinetista, que já conhecia o trabalho de Teddy na orquestra de Mildred Bailey e, inclusive, haviam participado de uma jam session, decide contratar o pianista, em abril de 1936. O trio de Goodman era complementado pelo baterista Gene Krupa e mais tarde converteu-se em um quarteto, com a inclusão do vibrafonista Lionel Hampton.

O trio/quarteto de Goodman teve uma importância capital na história do jazz, não apenas pelo brilhantismo de sua música, mas por ter sido o primeiro combo de jazz a se apresentar com músicos brancos e negros dividindo o mesmo espaço. Essa união ajudou a romper com a segregação vigente no show business, que obrigava brancos e negros a tocar separadamente e o grupo de Benny é até hoje celebrado como um símbolo da integração racial.

Para que se tenha uma idéia da vergonhosa situação da época, basta dizer que em 1937, o quarteto participou do filme “Hollywood Hotel”, dirigido por Busby Berkeley. Ocorre que foram rodadas duas versões da película. Naquela exibida nos cinemas do norte dos Estados Unidos, aparecem Goodman, Lionel Hampton, Teddy Wilson e Gene Krupa. Na versão exibida no sul, racista, Wilson foi substituído pelo pianista branco Jess Stacy.

O pianista esteve presente no célebre concerto de Goodman no Carnegie Hall, no dia 16 de janeiro de 1938. A parceria entre Wilson e o clarinetista perdurou até 1939, quando o pianista desligou-se para montar sua própria orquestra. Mas a amizade e a admiração permaneceriam, tanto que Goodman costumava dizer que Teddy era “o melhor jazzman da música americana”. Pedro Cardoso destaca o papel de Wilson no trio/quarteto, dando-lhe “coesão, fluidez melódica com a base harmônica do piano, simultaneamente segurando o trio e aparando a aspereza e a impulsividade de Gene Krupa”.

A atuação com Goodman deu a Wilson uma enorme visibilidade, além de ter rendido a ele diversos prêmios como melhor pianista, concedidos por revistas especializadas como “Metronome” e “Down Beat”. No final dos anos trinta, o pianista cria a “Teddy Wilson School For Pianists”, em Manhattan. O conteúdo pedagógico era inovador, pois os alunos recebiam discos didáticos não comerciais, com o próprio Wilson ao piano, acompanhados dos respectivos encartes, contendo texto analítico e transcrição dos temas.

Após a sua saída do grupo de Goodman, Wilson montou uma orquestra cujo prefixo era o tema “Jumpin’ On The Blacks And Whites” e que contava com craques como os saxofonistas Ben Webster, Shorty Baker e Rudy Powell, os trompetistas Doc Cheatam e Hal Baker, o trombonista J. C. Higginbotham, o guitarrista Al Casey, seu xará Al Hall no contrabaixo e o baterista J. C. Heard. Thelma Carpenter fazia os vocais e os arranjos do próprio líder, sendo que durante algum tempo a banda foi atração fixa do “The Apollo Theatre”, no Harlem.

Embora gravações como “The Man I Love” (com solo de Ben Webster), “Out Of Nowhere” (com solo de J. C. Higginbotham) e “Little Things That Mean So Much”, tenham tido alguma repercussão, a orquestra não obteve o sucesso comercial esperado e foi desfeita em abril de 1940, sendo que a sua derradeira apresentação ocorreu no “Golden Gate Ballroom”. Wilson então montou um sexteto (Bill Coleman, Jimmy Hamilton, Benny Morton, Al Hall e Big Sid Catlett), que passou a ser atração fixa do clube Café Society, permanecendo ali de junho de 1940 até novembro de 1944.

O mundo vivia o horror da Segunda Guerra e Teddy gravou diversos “V-Discs”, que eram mandados para divertir os soldados norte-americanos na Europa e no Pacífico, acompanhando as cantoras Lena Horne e Helen Ward. No dia 06 de junho de 1945, o pianista reencontra o antigo parceiro Red Norvo e participa das gravações de “Red Norvo And His Selected Sextet”, para o selo “Comet”. Foram apenas quatro temas gravados (“Hallelujah”, “Get Happy”, “Slam, Slam Blues” e “Congo Blues”) e mais alguns takes alternativos desses temas, mas a importância histórica é a presença dos então jovens Charlie Parker e Dizzy Gillespie, que estavam revolucionando o jazz com sua abordagem ousada e inquieta.

Wilson já havia tocado com Parker e Gillespie antes, em um concerto para a “New Jazz Foundation”, realizado no “Town Hall”, em Nova Iorque. Além deles, também estavam presentes a cantora Dinah Wahington, o trompetista “Hot Lips” Page, o saxofonista Georgie Auld, o violinista Stuff Smith, o baixista Slam Stewart, o baterista Cozy Cole e outros. Ainda em 1945, Wilson volta a trabalhar com Benny Goodman e se apresenta novamente no “Town Hall”, desta feita com líder de uma banda que contava com Red Norvo, Bill Coleman, Gene Krupa, Stuff Smith e “Flip” Phillips. O concerto foi gravado e distribuído pela Commodore.

Em 1946 o pianista foi contratado para trabalhar na Orquestra da Rádio CBS, onde ficou até 1955, atuando em programas como o “Peter Lindt Hayes Show” e na série radiofônica “The Crime Photographer”. Ainda naquele ano, começa a lecionar na Juilliard School of Music e na Metropolitan School of Music. Ele também foi músico fixo da gravadora Musicraft, acompanhando grandes nomes do jazz, como Artie Shaw, Mel Tormé, Georgie Auld e, principalmente, Sarah Vaughan.

Nos últimos anos da década de quarenta, Wilson volta a se destacar nas eleições de melhor pianista das revistas Metronome e Esquire. Ele também monta um grupo com músicos mais ligados ao bebop, como o saxofonistya Wardell Gray, o guitarrista Billy Bauer e o baixista Arnold Fishkin. Entre 1949 e 1952, ele atuou como pianista da rádio WNEW.

A década de 50 foi marcada por temporadas na Europa, com destaque para seus concertos na Inglaterra, onde era um dos mais queridos músicos de jazz. Nos Estados Unidos, merece destaque o concerto realizado no dia 25 de março de 1952, onde novamente dividiu o palco com Charlie Parker, desta feita no teatro “Loew’s Valencia”, em Nova Iorque, tendo Eddie Safranski no contrabaixo e Don Lamond na bateria. Em 1955 Wilson participa do longa metragem “The Benny Goodman Story”, tendo Steve Allen no papel principal.

Nessa época, ele assina com a Verve, do produtor Norman Granz, e naquele selo grava, juntamente com seu trio, álbuns bastante elogiados como “For Quiet Lovers”, “I Got Rhythm” e “These Tunes Remind Me of You”. Na Verve, o pianista reencontrou o velho amigo Lester Young, gravando com ele o aclamado “Pres and Teddy”, nos dias 12 e 13 de janeiro de 1956.

Um dos mais estupendos discos de Wilson para a gravadora de Norma Granz é “The Impecable Mr. Wilson”. Acompanhado do contrabaixista Al Lucas e do baterista Jo Jones, o pianista destila todo o seu charme e refinamento, naquele que é considerado um dos momentos culminantes de sua gigantesca discografia. As gravações foram realizadas no dia 13 de setembro de 1956, em Nova Iorque.

A abertura fica por conta de uma acelerada versão de “I Want to Be Happy”, de Irving Caesar e Vincent Youmans. Lucas tem uma pegada robusta e se sai muito bem nos tempos rápidos. Jones é um mestre da percussão, provavelmente o mais moderno dos bateristas do swing, e seu trabalho com as escovas – ele preferia usá-las, ao invés de baquetas, quando atuava com Wilson – é sensacional. O líder tem um domínio rítmico e melódico perfeito e a inclusão de elementos do bebop em sua execução apenas o torna um pianista ainda mais interessante.

Em seguida, dois temas da dupla Andy Razaf & Fats Waller: “Ain't Misbehavin'” e “Honeysuckle Rose”. O andamento mais lento da primeira reforça a influência do blues e revela as qualidades de Wilson como um excepcional executante de baladas. Na segunda, evidencia-se o amplo domínio da técnica do stride piano, com destaque também para as notáveis performances de Jones e Lucas.

O versátil pianista trafega pelas veredas sinuosas do bebop, em “Fine and Dandy” e “I Found a New Baby”, com a autoridade e a desenvoltura de quem compartilhou os palcos com Charlie Parker e seu controle do tempo e dos andamentos é admirável. Sua elegância, traduzida na simplicidade e no parcimonioso dos acordes, dá uma nova dignidade a standards como “Sweet Lorraine”, de Clifford Burwell e Mitchell Parish, e “Laura”, de David Raksin e Johnny Mercer.

Baladas românticas como “It's the Talk of the Town”, de Al Neiburg e Jerry Livingston, e “Time on My Hands” de Mack Gordon e Vincent Youmans, recebem arranjos sofisticados mas que, ao mesmo tempo, não soam pomposos. Os ingredientes usados por Wilson são o bom gosto, o comedimento e a concisão. Sua articulação se baseia em discursos harmônico-melódicos breves, tornando dispensáveis os acordes em profusão ou as exibições gratuitas de virtuosismo.

Mesmo quando precisa se exprimir nos andamentos mais candentes, como é o caso de “Undecided”, de Leo Robin, ou “Who Cares”, de George e Ira Gershwin, ele evita a profusão de notas e a verborragia sonora. A maneira como ele estabelece o diálogo com o contrabaixo e a bateria também é exemplar. Na companhia do pianista, Jones, conhecido por seu dinamismo e impetuosidade, jamais recorre a expedientes gratuitos, como o rufar interminável dos tambores, mantendo sempre uma abordagem percussiva vibrante, mas sem excessos.

Para finalizar, mais um tema dos irmãos Gershwin, “Our Love Is Here to Stay”, outra belíssima interpretação do trio, com uma atuação primorosa do líder. A arte de Wilson sem assemelha a uma iguaria fina, preparada por um chef criativo e desprovido de frescura. Nesse disco, podemos saborear essa culinária refinada e exclusiva, muitas e muitas vezes, sem corrermos o menor risco de ter uma indigestão.

Os anos vindouros continuariam a ser de muito trabalho. Wilson voltou a tocar com Benny Goodman, durante uma excursão à União Soviética, em 1962. Uma das facetas pouco conhecidas do pianista é a sua militância política e seu envolvimento com organizações de esquerda dos Estados Unidos. Esse envolvimento lhe valeu o apelido de “Marxist Mozart”, dado pelo dançarino Howard “Stretch” Johnson, outro artista bastante engajado politicamente. Wilson realizou concertos a fim de arrecadar fundos para o jornal “The New Masses” e contribuiu para a “Russian War Relief”, durante a II Guerra Mundial.

Wilson, juntamente com outros artistas simpáticos à causa da esquerda, como Al Haig, Paul Robeson e Cy Oliver, fez parte do comitê artístico que apoiava a candidatura do advogado Benjamin J. Davis, um dos maiores expoentes da luta pelos direitos civis entre as décadas de 30 e 60. Negro e membro do Partido Comunista, Davis foi eleito para o cargo de vereador de Nova Iorque em 1943, obtendo maciça votação no Harlem. Ele foi bastante perseguido por suas convicções políticas e passou vários anos na prisão. Morreu em 1964, em decorrência de um câncer no pulmão, quando fazia campanha para o senado, concorrendo pelo pequeno “People’s Party”.

Em 1969, o pianista participou do projeto “Jazz At The Philarmonic”, sob a batuta de Norman Granz, apresentando-se ao lado de luminares como Clark Terry, Dizzy Gillespie, Benny Carter, Coleman Hawkins, Zoot Sims e outros. Durante o terço final daquela década, manteve um quarteto com o trompetista Bobby Hackett.

Nos anos 70, Teddy continuou a excursionar pelo mundo, liderando seus trios em freqüentes temporadas pela Europa e Japão. Também participou de festivais de jazz ao redor do planeta, apresentando-se em Tóquio, Montreux, Nice, Chicago, Pescara e muitos mais. Em boa parte de seus concertos dos anos 70, Teddy se apresentava ladeado pelos filhos, o contrabaixista Theodore e o baterista Steven Wilson.

Goodman e Wilson voltariam a tocar juntos na edição de 1973 do Newport Jazz Festival, causando uma verdadeira comoção na platéia. A maturidade fez muito bem ao pianista e algumas de suas melhores gravações foram feitas durante as décadas de 60 e 70 , para o selo britânico Black Lion, como “Stomping At The Savoy” (1967), “Runnin' Wild” (gravado ao vivo no Festival de Montreux de 1973) e “Blues for Thomas Waller” (1974). Ele também gravou para outros selos europeus, como o dinamarquês Storyville e o francês Black & Blue.

O pianista fez alguns trabalhos na área da publicidade, compondo jingles para o rádio e a TV. Em uma bem-humorada entrevista ao jornalista Les Tomkins, ele esclareceu: “Respeitado o limite da razoabilidade, um músico profissional deve se ocupar de música e, mesmo que não goste, deve estar preparado para tocar até em contextos mais comerciais. Já trabalhei em trilhas para comerciais no rádio e na TV. Eles pagam bem e eu tenho um monte de obrigações, inclusive filhos para criar. De qualquer maneira, se me pagarem bem, eu toco até no Pólo Norte”.

Como nos lembra Pedro Cardoso, Wilson “plantou e colheu desde muito jovem todos os possíveis ensinamentos da cultura musical e pianística, tornando-se um executante super-dotado mas sem exuberância, completo mas sem exibicionismos”. Nele é possível encontrar uma síntese dos grandes pianistas que o precederam e que fizeram escola, em especial Art Tatum, Earl Hines e “Fats” Waller e, ainda segundo o Apóstolo do Jazz, “o virtuosismo do fraseado de Teddy este baseado em 02 pilares únicos e sólidos: rigor e simplicidade”. 

Wilson faleceu no dia 31 de julho de 1986, em decorrência de um câncer intestinal, nas dependências do “New Britain Hospital”, em New Britain, estado de Connecticut, onde estava internado há várias semanas. Seu corpo foi enterrado no “Fairview Cemetery” e entre os seus muitos herdeiros musicais é possível apontar os nomes de Mel Powell, Joe Bushkin, Jimmy Rowles, Hank Jones, Dave McKenna, Clyde Hart, Sonny White, Sir Charles Thompson e Ray Bryant, entre muitos outros.

Para o pesquisador Sylvio Lago, Wilson era um mestre da harmonia e “sua arte era caracterizada pelo refinamento do toque, cinzelando cada nota com fraseados delicadamente esculpidos e com equilíbrio das expressões melódica, harmônica e rítmica. As improvisações eram curtas, virtuosísticas, e com gosto pronunciado para a espontaneidade dos andamentos, do fraseado e do controle dinâmico”.


==========================







27 comentários:

MJ FALCÃO disse...

Mais uma descoberta. Vou sempre "aproveitando" os seus posts para me enriquecer com boa música e bons ensinamentos.Pus no Facebook desta vez. Às vezes ponho e faço "propaganda"! Gosto do seu blog, amigo.
Vou viajar por aí. E depois dou novidades.
abraço do falcao

Érico Cordeiro disse...

Minha querida MJ Falcão,
Você é sempre uma presença auspiciosa no barzinho.
O Teddy Wilson é um pianista maravilhoso, cheio de classe, mas não soa empolado.
Vou procurá-la no Facebook - como faço para encontrá-la?
Aqui no blog tem um link para a minha página lá.
Um grande abraço, do lado de cá do Atlântico.

Anônimo disse...

Alô, Érico!
Você tem sempre uma surpresa na "manga". Eu tenho um disco do Teddy Wilson, de uma coleção que saiu nas bancas há mais de dez anos, acho que o nome era "100 anos de swing".
Aliás, essa coleção era muito boa, devia ser reeditada.
Parabéns pelo texto muito informativo.
Abs do
José Carlos Fontenele

PREDADOR.- disse...

Tá vendo mr.Cordeiro!! É só "revirar" um pouquinho mais a sua "CDteca" que você encontra coisas boas para postagens, envolvendo os grandes expoentes do JAZZ. Excelente resenha sôbre um pianista de primeira que sempre apresentou-se com uma postura única e um consistente senso de swing, sem invencionices e rebuscamentos toscos, ao longo de sua carreira. Como disse muito bem mr.Pedro Cardoso.."executante super-dotado mas sem exuberância, completo mas sem exibicionismos".
Muito boa sua resenha, focalizando músico que tem uma brilhante trajetória vinculada ao jazz. Continue nessa linha mr.Cordeiro, faça igual ao Wilson: sem muita invencionice, que o senhor vai longe.

Érico Cordeiro disse...

Caríssimos Zé Carlos e Predador,
Sejam mais que bem-vindos.
Ao primeiro, digo que tenho vários discos dessa série, mas infelizmente acabei perdendo os fascículos. Era muito caprichada do ponto de vista editorial e muitos dos discos possuem uma ótima qualidade, tanto no aspecto da sonoridade como no repertório.
Ao segundo, digo apenas que a idéia do blog é tentar visitar os grandes nomes. Por isso, a próxima postagem é sobre Rudresh Mahanthappa (não conheço nome maior que esse, talvez só Alexander von Schlippenbach).
Grande abraço aos dois e obrigado pelas palavras gentis!

APÓSTOLO disse...

Estimado ÉRICO:

"O Admirável Requinte da Simplicidade" parece-me definir com exatidão o pianismo de Teddy Wilson, uma dessas dádivas que recebemos em poucas ocasiões.
Parabéns pela música, "impecável" ! ! !

MaJor disse...

Este é o CARA, parodiando Mr Obama. Sua leveza ao teclado, suingue fantástico e simplicidade na improvisação, sempre um jazz de primeira, um dos favoritos. Mais uma fera que tive a oportunkidade única de assití-lo no Municipal do Rio.
Abraço Érico e mais uma biografia excelente.

Érico Cordeiro disse...

Caríssimos Mestres MaJor e Apóstolo,
Ao primeiro, desnecessário dizer que me "apropriei" do título da sua resenha - aliás, me apropriei da resenha inteira :-)
Não sei o que seria do barzinho sem a sua mais que preciosa "munição" - e em breve, mais dois músicos que você admira: o guitarrista Howard Roberts e o super-trombonista Bob Brookmeyer, recentemente convocado pela GOC - Grande Orquestra Celestial.
Ao segundo, dirija todos os encômios ao Mestre Apóstolo, verdadeiro "pai" da resenha - eu só dei alguns pitaquinhos :-) Também nem preciso dizer que eu fiquei com uma invejinha boa de você, pois assistir a esse "Pai Fundador" ao vivo deve ter sido formidável!
Abraços aos dois!

PREDADOR.- disse...

Aos mestres Major e Apóstolo você promete para as próximas postagens Howard Roberts e Bob Brookmeyer. Para mim sua promessa é de um tal de "Mandatapa"??? Brincadeira!!! Mr.Cordeiro, você está me provocando??? Olha, se for constatado esta possibilidade, vou ficar nervoso e acabar
"explodindo" o seu blog e ele irá para o "espaço" igual ao Megaupload

Érico Cordeiro disse...

Meu Caro Predador,
Não se avexe não!
Sei bem que, no fundo no fundo, você ouve mesmo em sua nave é Cecil Taylor, Eric Dolphy (de Out to Lunch), Albert Ayler, Rudresh Mahanthappa, Alexander von Schlippenbach, Peter Brötzman (com trema e tudo), Abdulah Ibrahim, Enrico Rava, John Abercrombie e outras feras.
Por isso é que o cardápio "predatorial" é sempre muito especial, passando ao largo desses artistas mais cumunzinhos.
Bom, mas já que vc. provocou, falo sério: escolha um disco do Ahmad Jamal, dos absixo, para ser resenhado - ele vai pintar em breve por aqui:
a) The Awakening
b) Waltz for Debby
c) Chamber Music of the New Jazz
d) Live At Joe Segal's
e) I Remember Duke, Hoagy & Strayhorn
Grande abraço!

Verluci Almeida disse...

BOM DIA!!!
Gosto de Jazz, gosto de azul!
Portanto, eis-me aqui, seguindo seu BLOG. Voltarei com tempo para ler postagens anteriores. Tenha um final de semana feliz!
Abs
Verluci Almeida

Érico Cordeiro disse...

Olá, querida Verluci!
Seja mais que bem-vinda.
Espero vê-la sempre aqui no jazzbarzinho.
Abraços fraternos!

PREDADOR.- disse...

Você me permitiu, mr.Cordeiro, e, eu como sou "cara de pau", vou sugerir um álbum do Jamal para suas próximas resenhas: disparado, um dos melhores discos do Ahmad é "Chamber Music Of The New Jazz" de 1955, com o guitarrista Ray Crawford. Outros ótimos álbums são também "Ahmad's Blues"(1958), "But not for me" (1958), "Ahmad Jamal Trio Vol.4" (1969) e "All of you" (1961), dentre outros. Em meados dos anos 60, e daí p'ra frente, o estilo de Jamal modificou-se muito. As melhores gravaçãos do pianista, no meu entendimento, foram feitas anteriormente ao período citado, mas, existe gosto p'ra tudo. É isso.

Érico Cordeiro disse...

Então vamos de "Chamber Music Of The New Jazz". Na radiola, tá rolando Waltz for Debby, do disco homônimo, gravado ao vivo no Bubba's.
Valeu, meu caro alienígena!

Grijó disse...

Mais uma aula.

gostaria, amigo Érico, de ouvir alguma gravação (dessas mencionadas por vc) em que Teddy Wilson acompanhasse Mel Tormé. O que vc sugere?

Comunista? Um simpatizante da causa, mas que tinha o jazz como religião, que era seu ópio. E leia "'opio" como remédio, claro.

Grande abraço, amigo.

Érico Cordeiro disse...

Mestre Grijó,
É sempre um prazer imenso recebê-lo no barzinho!
Como esse Wilson gravou coisa boa! Os discos com Lady Day e Pres são obrigatórios.
Quanto às gravações com Tormé, infelizmente não tenho nada (talvez em coletâneas, mas tenho que procurar, pois em várias delas não há registro dos músicos acompanhantes.
E quem diria que o aristocrático Mr. Wilson se rendeu às idéias de Marx e Engels!
Abração!

MaJor disse...

Parece que entendí que Mr Predator não gosta de Howard Roberts e Bob Brookmeyer. Bem HR é um magnífico guitarrista não há nem dúvida, já Bob era bom, foi bom na época do Mulligan compunha bem o grupo, mas realmente em termos de trombone de válvulas ninguem ganha de Bob Enevolsen, fantástico.
Sorry Predator!!

Érico Cordeiro disse...

Mestre MaJor,
O Predador é um caso perdido.
Ele fica falando que gosta de bebop, de West Cpoast Jazz, mas seus discos de cabeceira são os do Anthony Braxton, Cecil Taylor e Andrew Hill!
O Brookmeyer é "bracanudo" e em breve aparece por estas bandas.
Abração!

PREDADOR.- disse...

Aproveito para comentar o post de mr.Major (acima) e acho que ele não entendeu bem meu posicionamento. Brookmeyer é um dos músicos por mim preferido, tanto tocando trombone de válvulas como piano. Para mim um dos melhores do estilo west coast(não desmerecendo, no entanto, o excelente Bob Enevoldsen). Quanto a Howard Roberts é tambem um dos guitarristas de minha preferência. Esclarecido!

Érico Cordeiro disse...

Me engana que eu gosto...
Sei que você está ouvindo, neste exato instante, o "Concerto no. 4331 para tamborim, reco-reco e assobio de corda", com Peter Brötzman, Alfred Rasmunssen, Unnanna Bakulele, Shang Chi e Cuong Vu.

José Domingos Raffaelli disse...

Dear Gran Master Érico,

Devido a uma "bobeira", inseri erroneamente estes comentários sobre Teddy Wilson no post relativo ao CD de Howard Roberts.

Para colocar as coisas em seu devido lugar, aqui estão os referidos comentários:

1) O trio Benny Goodman-Teddy Wilson-Gene Krupa nasceu numa festa em casa da cantora Mildred Bailey, em 1936. Goodman e Krupa foram convidados porque a própria Mildred (que era casada com o vibrafonista Red Norvo) cantara com um pequeno conjunto de BG num concerto promovido pela extinta revista Esquire. Teddy Wilson era novo no pedaço e poucos sabiam de quem se tratava. A certa altura, alguém descobriu que ele era pianista e pediram a BG e Krupa que tocassem com ele. Foi um sucesso espetacular e na hora nasceu o Trio de Goodman. Alguns dias depois, o trio gravou uma série de músicas para a RCA Victor (tenho o respectivo CD) e a partir daí Teddy Wilson estava consagrado como um dos maiores pianistas de jazz.

2) Já mencionei em outro post seu (não lembro qual) que em 1974 tocou no Municipal o quarteto de pianistas Earl Hines, Teddy Wilson, Ellis Larkins e Marian McPartland, com enorme sucesso (nosso preclaro Mestre Major mencionou em seu post).

Grande abraço e keep swinging,
Raffaelli

25 de janeiro de 2012 08:49

Érico Cordeiro disse...

Mestre Raffaelli,
A enciclopédia do jazz ataca novamente :-)
Grande abraço!

Edison Junior disse...

Grande Teddy Wilson! Hoje estava ouvindo um CD dele com o Lester Young que é simplesmente fantástico!

Érico Cordeiro disse...

Esse disco é maravilhoso - o Pres & Teddy, da Verve, não é?
Discaço.
Na resenha sobre o Lester Young eu falo sobre esse disco.
Valeu e obrigado pelos presentaços - quero ver se eu consigo os discos, para postar um texto do Raffaelli sobre o American Festival de 1961.
Abração!

Anônimo disse...

claimed a lot of people payback their mortgages punctually and additionally not having fees
A number one unsecured debt nonprofit is trying the quantity of individuals looking toward these with regard to assist over cash advance money owed to be able to double it. unsecured debt aid organization affirms all over purchase all the quickly, substantial appeal financial loans this current year. This charitable organisation claims three years back the quantity of prospects with them appeared to be insignificant.
kredyty bez bik pko bp
pożyczki prywatne
pożyczka na dowód
pożyczka przez internet bez bik
kredyty bez bik

http://szybkapozyczka24.info.pl
http://pozyczkanadowod24.com.pl
http://kredytybezbiku.biz.pl

Anônimo disse...

[url=http://alwaysbestoffer.co.uk/]fake watches[/url]

rolex yachtmaster 2 replica
louis vuitton watches replica
replicasonline.org.uk review
rolex oyster perpetual datejust
legitimate replica watch sites

http://discounts24.co.uk/

Anônimo disse...

http://prixviagragenerique50mg.net/ acheter viagra
http://prezzoviagraitalia.net/ prezzo viagra
http://precioviagraespana.net/ viagra precio

Google Analytics