Amigos do jazz + bossa

sábado, 9 de outubro de 2010

O BARTÓK DO TROMPETE


Béla Viktor János Bartók é um dos homens que faz com que o século XX tenha valido a pena. Nascido em 25 de março de 1881, na cidade de Nagyszentmiklos, então pertencente à Hungria, desde muito cedo demonstrou especial aptidão para a música. Aos cinco anos já recebia as primeiras aulas de piano, sob a generosa supervisão da mãe. Em 1894, a morte do pai, diretor de uma escola de agronomia, obrigou o garoto e a mãe a se mudarem para Pozsony, um importante pólo cultural da época.

Ali estudou teoria musical com Ladislas Erkel, que o apresentou à obra dos grandes compositores europeus, em especial Mozart, Bach, Wagner, Liszt e Brahms. Em 1898 ingressou na prestigiosa Academia Real de Música de Budapeste. Na academia, uma das mais conceituadas da Europa, o convívio com músicos de outros países e a descoberta da obra de Debussy modificaram a compreensão musical do compositor. Após um período na França, Bartók decidiu se debruçar sobre as canções folclóricas húngaras, tarefa empreendida na companhia do amigo Zoltan Kodaly, também compositor.

A publicação das obras colecionadas pela dupla mereceu enormes elogios por parte da crítica européia. Animado com o resultado de suas pesquisas, Bartók passou a se interessar pela música popular de países como Romênia, Bulgária, Egito e Turquia. Suas composições mesclavam elementos dessas culturas e paradigmas caros à tradição européia, resultando em uma obra absolutamente original. Passou a ser um dos mais badalados compositores do primeiro terço do século XX e, nessa condição, fez a sua primeira viagem aos Estados Unidos, em 1924.

Ali, descobriu uma nova forma de expressão musical, completamente diferente de tudo o que ouvira até então e que combinava a riqueza rítmica da música africana com a instrumentação típica da música erudita e acrescida de uma dose peculiar de balanço – chamado swing. Bartók encantou-se pelo jazz e tornou-se um entusiasta do estilo. Não é por outra razão que foi uma das poucas vozes a se levantar contra a visão preconceituosa que grassava na “alta cultura”, que via o jazz como uma forma musical bárbara e pouco sofisticada.

Em 1936, o ministro da Educação Popular e Propaganda Nazista, Joseph Goebbels, organizou em Berlin uma exposição intitulada “Música degenerada”, onde constavam obras de Igor Stravinsky, Arnold Schönberg e Darius Milhaud. O corajoso Bartók, sem hesitar um único instante, escreveu uma carta ao tenebroso ministro, pedindo-lhe que incluísse o seu nome entre os artistas que o nazismo considerava degenerados. Bartók era um ferrenho defensor da liberdade e um adversário implacável de toda e qualquer forma de preconceito. Preocupado com a perseguição aos judeus na Alemanha, em 1938 converteu-se ao judaísmo, como forma de demonstrar sua solidariedade àquele povo, tão covardemente perseguido.

Após a eclosão da II Guerra Mundial, o compositor resolveu se fixar, de maneira definitiva, nos Estados Unidos. Ali, entre muitas outras honrarias, recebeu o título de Doutor Honorário, concedido pela Universidade de Columbia. Certa feita, recebeu do clarinetista Benny Goodman, um pedido para que compusesse um tema para clarinete. Conta-se que, ao receber a partitura com os três movimentos da peça, Goodman teria comentado com o autor: “Vou precisar de três mãos para tocar isso, senhor Bartók. É a coisa mais difícil que já vi em toda a minha vida”.

Gravada pela Columbia, “Contrasts For Violin, Clarinet And Piano” se tornou um dos pontos altos da carreira fonográfica de Goodman, que ainda teve a honra de contar, na gravação, com as presenças do violinista Joseph Szigeti e do próprio Bartók no piano. O compositor faleceu no dia 26 de setembro de 1945, em decorrência da leucemia, mas seu amor pelo jazz jamais arrefeceu. E um grande músico de jazz, também compositor de grandes recursos, teve a honra de ser comparado ao mestre húngaro, merecendo inclusive o título de “Bartók do trompete”. Seu nome: Thad Jones.

Thaddeus Joseph Jones pertence a uma das mais ilustres linhagens de jazzistas de todos os temps. Irmão do pianista Hank e do baterista Elvin Jones, Thad nasceu no dia 28 de março de 1923 em Pontiac, no Michigan, para onde a família, originária do Mississipi, havia migrado em busca de melhores condições de vida. O pai era operário da General Motors e diácono de uma igreja batista, daí o contato dos jovens Jones com o gospel e os spirituals.

Não obstante, os Jones eram proibidos de tocar jazz em casa, pois o pai associava a música a maléfica influência de Satanás. Ali, portanto, somente música religiosa ou erudita, executada ao piano pelos irmãos mais velhos Hank e Olive, uma talentosa pianista que faleceria na adolescência e cuja perda seria bastante traumática para toda a família. O jazz era ouvido de maneira quase clandestina e as interpretações de Louis Armstrong que chegavam pelas ondas do rádio despertaram no pequeno Thad o desejo de se tornar trompetista.

Apesar da oposição paterna, o autodidata Thad começou a aprender trompete ainda na infância, em um instrumento de segunda mão que lhe foi presenteado pelo tio William. Com muita determinação e seriedade, o garoto logo se revelou um exímio trompetista e com inacreditáveis 13 anos elaborou o seu primeiro arranjo. Aliás, composição e arranjo sempre foram aspectos dos mais relevantes em sua futura carreira profissional, embora tenha sido um intérprete de primeira grandeza. O insuspeito Charles Mingus teria dito, certa vez, que “Thad é o maior trompetista que eu já ouvi tocar em toda a minha vida. Ele é o Bartók do trompete”.

O trompetista iniciou a carreira profissional aos 16 anos, tocando em bandas da região de Detroit e Pontiac. Uma delas foi a Arcadia Club Band, integrada também pelo irmão Hank e pelo então iniciante Sonny Stitt. Em 1941, Thad foi contratado por Connie Connell para atuar em sua banda. Após quase dois anos com Connell, o trompetista tocou por alguns meses com Red Calhoun, até ser convocado para o serviço militar, em dezembro de 1943.

Servindo em lugares como Camp Walters, Texas, ou Des Moines, Iowa, o trompetista não teve dificuldade em se juntar às inúmeras orquestras militares que pululavam nos Estados Unidos, merecendo destaque a sua participação na 8th Air Force Special Service Division. Dispensado em abril de 1946, Jones logo se juntou à banda de Charles Young, sediada em Oklahoma City. Sobre o patrão, Jones certa vez disse “Charles Young foi o músico mais talentoso que eu já encontrei. Ele tocava trompete, clarineta, sax barítono e piano com um swing fantástico, além de cantar como um pássaro e escrever arranjos como um demônio”. Todavia, o jovem multiinstrumentista faleceu repentinamente, com apenas 26 anos, e Thad ficou desempregado.

Em virtude da perda do emprego e também porque a saúde do pai não andava nada bem, Thad decidiu retornar a Pontiac, em 1947, e recomeçar a carreira. Tocou com músicos de pouca expressão, como Candy Johnson, Jimmy Taylor e Larry Steele até que, no início dos anos 50, integrou-se à banda do saxofonista Billy Mitchell, que tocava como atração fixa do clube Blue Bird Inn, em Detroit. O trabalho com a banda de Mitchell, onde também atuavam o seu irmão Elvin Jones e Roland Hanna, deu alguma visibilidade ao trompetista e o seu nome passou a ser mais conhecido no meio musical.

A auspiciosa cena local incluía pianistas como Barry Harris e Tommy Flanagan, baixistas como Doug Watkins e Paul Chambers, saxofonistas como Yusef Lateef e Pepper Adams, além de muitos outros músicos de primeira linha. Alguns deles, como Milt Jackson e o próprio Hank, seu irmão mais velho, haviam trocado Detroit por Nova Iorque, mas costumavam voltar à Cidade dos Motores para tocar e as jams costumavam ser fenomenais.

Com um nome relativamente conhecido na região, não foi surpresa para Thad o convite feito por ninguém menos que Count Basie, para que se juntasse à sua legendária orquestra, em substituição a Joe Wilder. Corria o ano de 1954 e Jones, que não era mais um garoto, integrou-se a uma das mais azeitadas e poderosas usinas de swing. A locomotiva sonora capitaneada por Basie incluía luminares como os saxofonistas Frank Wess e Frank Foster, os trombonistas Henry Coker e Benny Powell e o trompetista Joe Newman.

No meio de tantas feras, Thad, então estabelecido em Nova Iorque, conseguiu cavar seu espaço, não apenas como solista, mas também como um respeitado arranjador e compositor. Alguns de seus temas ficaram bastante conhecidos, como é o caso de “The Deacon”, “Mutt And Jeff” e “H.R.H. (Her Royal Highness)”, esta última composta em homenagem à Rainha Elizabeth II, que teve a honra de ouvir a orquestra tocá-la em Londres. Jones participou de gravações antológicas, como as dos álbuns “April In Paris”, de 1955, “Basie in London”, de 1956 e “Count Basie Plays, Joe Williams Sings”, de 1957. O prestígio de Jones pode ser medido pelo prêmio de “New Star”, que lhe foi conferido pela revista Down Beat.

A partir daí, Jones também começou a desenvolver uma alentada carreira solo, gravando para selos como Debut, Prestige e Blue Note. Além disso, estabeleceu-se como um respeitado músico de apoio, tocando em discos de gente como Charles Mingus, Al Cohn, Manny Albam, Osie Johnson, Miles Davis, Milt Jackson, Kenny Burrell, Sammy Davis Jr., Sonny Rollins, Frank Wess, Gene Quill, Bing Crosby, Curtis Fuller, Sarah Vaugham, Bob Brookmeyer, Tony Bennett, Quincy Jones, Shirley Scott, Johnny Smith, McCoy Tyner, Ben Webster, Ernestine Anderson, Herbie Hancock e muitos outros.

Em 1963, após quase nove anos com Basie, Jones deixou a orquestra do pianista. Ele já era bastante conhecido nos meios musicais, fez diversos trabalhos para o rádio e a televisão, além de continuar a atuar como freelancer, especialmente como arranjador. Nessa qualidade, elaborou arranjos para orquestras em álbuns de Thelonious Monk, Harry James e Gerry Mulligan. No ano seguinte, excursionou pela Europa com o pianista e bandleader George Russell e participou de gravações importantes de Oliver Nelson e Gil Evans. Por indicação do irmão Hank, foi trabalhar na orquestra da rede de TV CBS, emprego que lhe daria uma considerável estabilidade financeira.

Em 1965, Thad e o baterista Mel Lewis criaram a Thad Jones / Mel Lewis Orchestra, que começou como uma brincadeira, a fim de reunir em animadas jam sessions alguns músicos que trabalhavam nos estúdios de rádio e TV. Em fevereiro de 1966, o Village Vanguard promoveu uma temporada com a orquestra e a receptividade foi tamanha que eles se tornaram atração fixa do clube, sempre às segundas-feiras .

Reunindo a nata dos músicos de Nova Iorque, a Thad Jones / Mel Lewis Orchestra conseguiu reunir em suas fileiras, durante os mais de doze anos de sua existência, jazzistas do quilate de Frank Foster, Bill Berry, Roland Hanna, Jon Faddis, Richard Davis, Bob Brookmeyer, Jerome Richardson, George Mraz, Joe Farrell, Jimmy Knepper, Pepper Adams, Hank Jones, Cecil Bridgewater, Al Porcino, Lew Soloff, Terell Stafford, Julius Watkins, Joe Lovano, Chris Potter, Harold Danko, Kenny Werner e muitos outros.

A orquestra receberia o Grammy, pelo album “Live in Munich”, em 1978, mas no final daquele mesmo ano, e por motivos até hoje não esclarecidos, Thad resolveu deixar o grupo. Segundo alguns, o trompetista teve uma séria discussão com Lewis, após uma apresentação da big band no festival de jazz de Cascais, em Portugal, inclusive presenciada pelo produtor Luís Villas Boas. Outros dizem que Jones recebeu um convite irrecusável por parte da Danish Radio Orchestra e simplesmente resolveu se mudar para a Dinamarca.

De qualquer forma, a orquestra manteve-se em atividade, agora liderada por Mel Lewis e Bob Brookmeyer, mudando o nome para Mel Lewis And The Jazz Orchestra. Com a morte do baterista em 1990, nova mudança no nome, desta feita para Vanguard Jazz Orchestra, que continua firme a tradição das apresentações no Village Vanguard, enchendo de música de qualidade as segundas-feiras de Nova Iorque.

Ainda nos anos 60, Thad entrou para o quadro de professores do William Paterson College, em Nova Jérsei. Em 1966, formou, juntamente com o saxofonista Pepper Adams, outro ilustre integrante da turma de Detroit, o Thad Jones / Pepper Adams Quintet, cuja existência foi breve e que deixou registrado apenas um único álbum, o excelente “Mean What You Say”. Gravado em três sessões distintas, nos dias 26 de abril, 04 e 09 de maio de 1966, para a Milestone, o disco traz, além de Jones (que toca exclusivamente o flugelhorn) e Adams, uma trinca de peso: Duke Pearson no piano, Ron Carter no contrabaixo e Mel Lewis na bateria.

Composta pelo trompetista, a faixa que dá nome ao álbum também abre os disco e, como qualquer trabalho que envolva os talentos de Jones e Adams, é um tema sofisticado e de muita classe. A execução de Pearson é fluida, sem arestas, e Lewis, com um uso primoroso das escovas, contribui para manter a atmosfera envolvente. Os solos dos dois líderes são concisos, com frases curtas, porém eloqüentes.

“H And T Blues” é uma intrincada leitura do blues, com diálogos incandescentes entre os líderes, enveredando, em alguns momentos, pelo hard bop mais energético. O som grave de Adams, com algumas breves citações à música árabe, contrasta com a sonoridade mais limpa do flugelhorn de Jones. Ótima performance de Carter, seguro no acompanhamento e dinâmico nos solos.

Burt Bacharach e Hal David vêem a sua “Wives And Lovers” ganhar um arranjo dos mais criativos, fugindo bastante da estrutura melódica original, salpicada de blues. O solo de Pearson é nada menos que arrebatador, surpreendente a cada acorde e de uma excelência técnica primorosa. Adams é extremamente original em suas intervenções, transitando com maestria pelas sempre desafiadoras sendas do bebop.

Fazendo um passeio discreto pelos ritmos brasileiros, a sacolejante “Bossa Nova Ova” guarda alguma semelhança com o trabalho de Sérgio Mendes da época. É indubitável que o tema não possui a riqueza harmônica de uma obra de Jobim, mas a sua audição é mais que agradável. A ousadia do trompetista faz com que, no rico universo da sua obra composicional, a faixa mereça um lugar de destaque, por retrabalhar as estruturas bossanovísticas sem lançar mão de clichês.

“No Refil” é sinuosa, com referências à música oriental. O discurso de Jones, autor do tema, é dos mais articulados, e a interação com o amigo Adams é soberba. “Little Waltz” é uma composição de Carter, uma balada com tinturas de valsa e atmosfera impressionista. Percussão discreta e o comedido lirismo que exala do sax de Adams são os seus pontos altos.

Pearson é um dos compositores mais reverenciados dos anos 60 e a sua “Chant” só reafirma a pertinência de tamanho prestígio. Com um arranjo que reforça as qualidades orquestrais do tema, Adams produz alguns dos momentos mais instigantes do disco, com uma interpretação árida, que transmite abandono e distanciamento. Por outro lado, o sopro de Jones é caloroso, vibrante. Destaque também para a extraordinária performance de Lewis, dosando leveza e contundência com enorme precisão.

A versão de “Yes Sir, That’s My Baby” é uma grande brincadeira levada a cabo pelo quinteto e que encerra o disco com o astral mais elevado possível. Os músicos se divertem à larga – e o ouvinte também – com uma interpretação temperada com ragtime e outras formas de jazz pré-swing e é até possível ver o sorriso estampado no rosto de cada músico. Uma gema preciosa, que merece ser descoberta, mesmo no seio de uma obra tão rica quanto a de Thad.

Nos anos 70, além de levar adiante a Thad Jones / Mel Lewis Orchestra (que chegou a se apresentar na então fechada União Soviética), o trompetista participou de dezenas de álbuns como freelancer, sob a liderança de artistas como Hermeto Pascoal, Sonny Stitt, Houston Person, Lena Horne, Kenny Drew, Carmen McRae, Jimmy Smith, Yusef Lateef, Grover Washington, Dexter Gordon e outros, rotina que somente foi quebrada com a mudança para a Europa.

Jones permaneceu em Copenhagen entre 1978 e 1984, tocando com a Danish Radio Orchestra e ensinando no Royal Danish Conservatory. Também estudou composição e fundou a banda Eclipse, integrada por músicos dinamarqueses e norte-americanos residentes no país e seguiu a vida, tocando com músicos expatriados, como o pianista Horace Parlan e Eddie Lockjaw Davis ou fazendo arranjos para gente como o pianista Claude Boling. Em fevereiro de 1985, retornou aos Estados Unidos para uma tentativa de restauração da orquestra do velho patrão Count Basie, empreitada que levou a cabo com o antigo colega Frank Foster.

Após fazer a direção musical e os arranjos para o disco “Vocalese”, do grupo vocal Manhattan Transfer, Jones, cuja saúde não ia nada bem, resolveu voltar para a Dinamarca. No país que o havia acolhido de forma tão carinhosa, Jones faleceu, no dia 21 de agosto de 1986, após uma longa e dolorosa batalha contra o câncer. Seu corpo foi enterrado no Western Churchyard Cemetery, em Copenhagen.

A família doou ao William Paterson College boa parte dos arquivos pessoais, fotos, gravações e partituras de Thad, que compõem atualmente o Living Jazz Archives daquela instituição. No dia 28 de agosto, os amigos do músico fizeram um culto ecumênico em sua memória, na St. Peter's Lutheran Church. Entre os muitos amigos presentes, Frank Foster, Tommy Flanagan e Roland Hanna, que prestaram-lhe a última homenagem, tocando durante a cerimônia. O trombonista Benny Powell, seu companheiro na orquestra de Count Basie, disse acerca do falecido amigo: “A música de Thad era muito sofisticada. E, por vezes, também era dissonante. Mas era uma música que fazia muito sentido, sobretudo para os músicos que a executavam”.

Felizmente, deixou uma obra relativamente bem documentada, com participação em centenas de gravações, álbuns em seu próprio nome e diversos discos à frente da Thad Jones / Mel Lewis Orchestra. Em seu currículo se destaca, ainda, a autoria do standard “A Child Is Born”, composta em 1969, em parceria com o letrista Alec Wilder, que foi gravada por gente como Charlie Rouse, Oscar Peterson, Sheila Jordan, Joe Lovano, Diane Reeves, Benny Carter, Toots Thielemans, Stanley Turrentine, Bill Evans, Kenny Burrell, Stan Getz, Tommy Flanagan, Jon Faddis e muitos outros.

=============================

29 comentários:

pituco disse...

érico san,

texto piramidal...emocionante, não sei dizer o porquê, mas assim o sinto...

uma aula e tanto
obrigado, 'fessô'...rs

abraçsonoros

.Edinho disse...

Caro Érico,
Texto perfeito para um grande músico ...

Salsa disse...

boa pedida

Érico Cordeiro disse...

Caros Pituco, Edinho e Salsa,
Sejam muito bem-vindos ao barzinho - chegando agora das terras gaúchas e do friozinho de 10º.
Que bom que vocês gostaram da escolha do músico, talvez o menos badalado dos irmãos Jones.
O Elvin pinta em breve.
Abração!

PREDADOR.- disse...

"What you say, man?" Elvin Jones em breve? Não faça isso. Esqueça. Tem mil bateristas melhores e menos "esporrentos" que Elvin para você comentar. Quanto ao álbum do Thad Jones & Pepper Adams, mr. Cordeiro, está aprovado, apesar da "Bossa nova ova", que como contrapartida apresenta um belo arranjo para "Wives and lovers". É isso! Sem detonações, por enquanto.

Andre Tandeta disse...

Beleza,Erico!. Thad Jones e' um monumento musical e esse disco,eu tenho, e' maravilhoso.
Quanto ao comentario do Sr. Predador nada direi , sou fã do Elvin Jones, pra mim um genio. Mas não e' essa discordancia que me impedira de continuar oferecendo uma vaga de carregador do saco de ferragens pra ele. Estamos ai e precisando de ajuda.

Érico Cordeiro disse...

Grandes Predador e Tandeta!
Sejam mais que bem-vindos.
O Elvin pinta por aqui em breve e, de logo, já aviso que vou recorrer à "assistência técnica" do amigo!
Quanto ao Predador, só faltava mesmo o detonador intergalático falar mal do talentoso irmão do Hank - ainda bem que ele tomou a medicação hoje de manhã!!!!
Grande abraço aos dois!

José Domingos Raffaelli disse...

Caro Érico,

The man who never sleep rides again!

Essa frase em inglês seria ótima como título de um filme expressa minha admiração por seu trabalho mais que louvável - melhor dizendo, é incomparável - para maior divulgação do jazz em nosso país.

Não há palavras para externar suas aptidões natas para redigir resenhas sobre jazz, aliás todos os companheiros deste blog sempre manifestam-se exaltando seu trabalho.

Diante de tanto reconhecimento, que mais poderia eu acrescentar ao que foi escrito e referendado por nossos simpáticos, entusiastas e atentos colaboradores ?

Permita-me algumas observações:

1. Por incrível que pareça, o CD "Basie in London" foi gravado na Suécia.

2. As quatro primeiras faixas gravadas por Thad Jones para o selo Debut, de Charles Mingus, são superlativas, bem como um LP para o mesmo selo gravado em quinteto, em 1955.

3. Um CD imperdível de Thad Jones é DETROIT-NEW YORK JUNCTION (Blue Note), com um timaço do primeríssimo time: Thad, Billy Mitchell (tenor), Kenny Burrell (guitarra), Tommy Flanagan (piano), Oscar Pettiford (baixo) e Shawdow Wilson(bateria).

Temas, solos e arranjos out of this world. Nesse disco ouvi Tommy Flanagan pela primeira vez.


3. Assisti a Thad Jones-Mel Lewis Orchestra no Village Vanguard em 1966 numa noite de tremenda nevasca. Fiquei estarrecido com a banda, os músicos, os temas e tudo mais. Uma curiosidade: a banda tocou uma composição curiosa e hilariante de Thad Jones na qual os músicos a executavam de pé cambaleando como se estivessem embriagados, gingando de lá para cá de acordo com as frases do tema que enfatizavam essa impressão..... Os espectadores esbaldaram-se de tanto de rir e provavelmente eu ri mais que todos.... Esqueci o nome da composição, mas tenho-a anotada em casa.

Keep swinging,
Raffaelli

José Domingos Raffaelli disse...

Prezados Érico & companheiros,

Um adendo: o tema de Thad Jones a que me referi no qual os músicos tocavam de pé como se esivessem bebados intitula-se "THE WALTZ YOU SWANG TO ME", logicamente em andamento 3/4 de valsa. Lembro que um dos músicos que mais se esmerava em balançar como se estivesse calibrado foi o saxofonista Jerry Dodgion.


Keep swinging,
Raffaelli

Takechi disse...

Érico:

Esse realmente sabia tocar trompete (frase inspirada pelo Lester)!

Gosto de praticamente tudo do Thad Jones, principalmente as pequenas formações. Seus arranjos são sempre um oásis no meio do deserto!
Grande abraço,
Takechi

Érico Cordeiro disse...

Caros Raffaelli e Takechi,
Sejam muito bem-vindos.
Realmente, esse é difícil de alguém dizer que não sabe tocar trompete :)
Além de arranjar e compor - tem um disco do Tommy Flanagan chamado "Let's Play The Music Of Thad Jones", que é sensacional.
Esse "Detroit = New York Junction" é fabuloso - tava na lista de postáveis, mas acabei optando pelo “Mean What You Say”.
Mestre Raffaelli, que inveja - um espetáculo de sons, técnica e bom humor, com a participação de alguns dos mais talentosos músicos de todos os tempos.
Grande abraço aos dois!

PREDADOR.- disse...

Mr.Cordeiro, estou tomando a liberdade de usar este post de seu blog para mandar um alô para mr.Tandeta: estou apenas aguardando uma "brecha" em meus inúmeros afazeres para ir ao Rio de Janeiro e com a maior satisfação carregar a "mala de ferragens" de sua bateria, acreditando ser você, mr.Tandeta, muito melhor que Elvin Jones. Aproveito para dar "um pitaco" sôbre albums de Thad Jones, que merecem ser ouvidos: "The Fabulous Thad Jones", de 1954/1955 e "The Complete Blue Note/Roulette Recordings of Thad Jones", de 1956 a 1960=Cxa.c/3 Cds, onde acha-se incluso o disco "Detroit-New York Junction", mencionado acima por mr.Raffaelli). Saudações intergaláticas!

Andre Tandeta disse...

Predador ,muito obrigado pela atenção.
E excelente dica de disco:"The Complete Blue Note/Roulette Recordings of Thad Jones" e' um item que não pode faltar na discoteca de quem gosta de jazz.
Receba meu abraço aqui dessa galaxia ai nos confins do Universo.

John Lester disse...

Prezado Mr. Cordeiro, nada como a unanimidade muscial para apaziguar os ânimos eleitorais inflamados.

Até onde sei, não há conhecedor de jazz que não aprecie o trabalho de Jones. Ele que, veja só Tandeta, era mais um daqueles insuperáveis autodidatas.

Grande abraço, JL.

Érico Cordeiro disse...

Bacana essa dobradinha - Mr. tandeta e Mr. Predador.
Se der certo, quero ver a parceria in loco, de preferência na Modern Sound.
Não tenho o "The Complete Blue Note/Roulette Recordings of Thad Jones", pois além do mencionado "Detroit - New York Junction", tenho o The Fabulous Thad Jones" e esses discos estão contemplados na caixa da Mosaic.
Mas essas caixinhas realmente são preciosas e altamente recomendáveis, ainda mais com a chancela dos dois futuros parceiros.
Abração aos dois!

Érico Cordeiro disse...

Mestre John Lester,
Seja mais que bem vindo. Postavamos nossos comentários ao mesmo tempo.
Pois é, nesses tempos eleitorais, nada melhor que ouvir Thad Jones e seu trompete/flugelhorn apaziguador!
Será que essa dupla vai longe? Acho que o Predador não tem lá muito jeito prá carregar caixa de ferramentas. O negócio dele é apertar os botões do detonador atômico - felizmente, eu escapei dessa vez!
Abração!

Andre Tandeta disse...

E' Mr. Lester, cada um com seu cada qual e vamos em frente. Papo de politica eu estou completamente fora.Quando alguem pergunta por minhas preferencias politicas dou sempre a mesma resposta,infelizmente impublicavel num espaço familiar como e' o nosso querido jazz+bossa.
E quanto a formação do genio Elvin Jones eu nada sei , o Sr. afirma ter sido ele autodidata, pra mim esta otimo . Escutamos o que ele toca do mesmo jeito,com oprazer de sempre e sempre aprendendo.
Abraços

PREDADOR.- disse...

Gostaria de fazer um adendo mr.Cordeiro: "The Fabulous Thad Jones", pelos meus parcos conhecimentos, não está comtemplado na caixa da Mosaic(3 CDs).Eis o "album index" da bendita cxa. "The Complete Blue Note/UA/Roulette Recordings of Thad Jones":
-Detroit-New York Junction (BN)
-The other side of 1500 series (BN)
-The magnificent Thad Jones (BN)
-The magnificent T.Jones,vol.3 (BN)
-Motor city scene (UA)
-Minor Strain (Roulette).
Não se estresse nem leve muito o que eu escrevi em consideração, são apenas minúcias. Com os discos citados, que você tem, do Thad Jones, estais "bem na fita". Tenho uma cópia em MP3 da caixa. Se você quiser é só "ordenar".

PREDADOR.- disse...

Correções em tempo: contemplado e não comtemplado. Meu português está ficando cada vez mais "escorregadio e castiço". Please excuse!

Érico Cordeiro disse...

Caros Tandeta e Predador,
A dobradinha espacial tá mandando muito bem mesmo - integração total :)
Pois é, meu alienígena favorito, a memória trai o sujeito, depois que ele passa dos 20 - na verdade, one se lê The Fabulous Thad Jones é Tha Magnificent Thad Jones.
Escrevi Fabulous mas tava pensando mesmo era no Magnificent. Outro disco bacana é The Jones Boys, que conta com, entre outros, Thad Jones, Quincy Jones, Jo Jones e Eddie Jones. Mas, de qualquer forma, esses dois são de primeira.
Confesso que encuquei - o Motor City Scene que eu tenho é liderado pelo Donald Byrd e pelo Pepper Adams - tem um outro disco com esse nome do Thad? Como estou em Pinheiro City e não posso consultar a capa do disquinho, me dê uma luzinha intergalática, ok?
Abração aos dois!

APÓSTOLO disse...

Estimado ÉRICO:

! ! ! ! ! ! ! ! . . .
E como comentário basta.
Preciso, conciso, correto e belíssima gravação.
Os "Jones" nos deixaram emoção, técnica, pura arte e um JAZZ superlativo.
Mais que PARABÉNS por seu trabalho, OBRIGADO.
O 2º volume vai crescendo.

Érico Cordeiro disse...

Mestre Apóstolo,
Seja muito bem vindo!
Na verdade, ter mestres como você, o Raffaelli, o MaJor, o Pituco, o Lester, o Tandeta, o Predador é que é !!!!!!!!!!!!!!
Uma família que dignifica a arte popular maior essa dos Jones, não é mesmo? O Elvin não vai ficar de fora - em breve aqui na telinha do jazzbarzinho.
Quanto ao livro, a idéia é essa mesmo: em breve um segundo volume.
Um fraterno abraço!

José Domingos Raffaelli disse...

Caro Érico,

O New York Times publicou que a Modern Sound encerrará suas atividades este ano. Motivo: situação pré-falimentar.

A propósito, eemana passada a Ana Luisa Marinho (filha de Rogério Marinho, irmão de Roberto idem, e esposa do Mauro Senise disse-me que os responsáveis pela Modern Sound buscam febrilmente patrocínio para tentar sair da enrascada inevitável. Todavia, considero impossível que alguem ou alguma empresa patrocine uma firma nessas condições pré-agônicas.

Keep swinging,
Raffaelli

Érico Cordeiro disse...

Mestre Raffaelli,
Tomara que a situação não seja tão dramática e que a Modern Sound, uma das últimas lojas de discos decentes desse país não tenha o destino de outras como a Breno Rossi ou a Gramophone.
Além disso lá tem um dos espaços mais bacanas para shows de boa música, que é o Alegro Bistrô.
Se for confirmada a notícia, vai ser algo bastante ruim para os fãs da música de qualidade.
Abração!

.Edinho disse...

Que tristeza para o nosso Rio, se vier a confirmar essa noticia que o Raffaelli escreveu acima.

O Mordern Sound (e o seu Bistrô) , com a sua música e a apresentação de alguns dos nossos melhores artistas , alguns inclusive , dando canja para deleite da moçada, vai fazer muita falta ao cenário musical do cidade que vai deixando de ser maravilhosa...

Como disse lá no blog JazZona sobre os piano-bares que tambem estão acabando:

- Estou triste ...muito, muito triste.

PREDADOR.- disse...

Vou tentar tirar a sua encucação, mr.Cordeiro. Existe um "Motor City Scene" liderado por Donald Byrd & Pepper Adams, gravação de 1960, sêlo Bethehem(o que você tem) e outro "Motor City Scene" liderado por Thad Jones, gravado em 1959 pelo sêlo United Artists (o que consta na bendita caixa da Mosaic de 3 CDs do Thad). Portanto, você ainda não está endoidando. São dois álbums distintos e com o mesmo título. Já que estamos no assunto Thad Jones, aproveito a oportunidade para passar-lhes os dados do Motor City do Thad:
Thad Jones(flh,cornet), Billy Mitchell(tenor), Al Grey(trombone),Tommy Flanagan(piano),Paul Chambers (baixo) e, olha êle aí, Elvin "Tandeta" Jones (bateria). As músicas são "Let's play one", "Minor on top", "Like old times" "No refill". Gravações de 1959 pela United Artists Records, que só existia em LP e em CD na caixa da Mosaic. Bem, dizem que a explicação tem que ser completa. Vamos lá: senão me engano esta gravação do Thad de 59juntamente com a do Donald Byrd & Pepper Adams de 60, foram reunidas em um único CD, lançado em 2004, pelo sêlo espanhol Lonehill Jazz, com o mesmo título "Motor City Scene", mas os lideres são Paul Chambers e Tommy Flanagan (que participam dos dois álbums)e com a capa do LP de Thad (uma iluminada ponte pencil ou algo parecido). Será que você vai entender? Coisa de louco!

Érico Cordeiro disse...

Caros Edinho e Predador,
Ao primeiro, digo que estou torcendo para que a notícia não se confirme e que a Modern Sound siga em frente, como um dos basti~es da música de qualidade aí na Cidade Maravilhosa.
Ao segundo, digo que as explicações são mais que suficientes - inclusive vi o disco da Lonehill no site da Amazon. A capa é a foto de uma ponte, diferente daquele do disco do Byrd/Adams, que é uma caricatura de um sujeito em um carro, com um contrabaixo no banco traseiro.
Realmente não conheço esse disco do Thad, mas pelo nível da galera envolvida deve ser tão bom quanto o homônimo do Byrd.
Valeu pelos esclarecimentos, meu caro alienígena!
Um fraterno abraço aos dois.

Amanda O. disse...

Érico, parabéns pelo seu blog. Admiro muito o jazz, apesar de não conhecê-lo como queria. Parabéns mesmo!

Érico Cordeiro disse...

Cara Amanda,
Seja muito bem vinda e, por favor, fique à vontade aqui no jazzbarzinho.
Gostar de jazz é muito mais importante que "conhecer" jazz - se a música toca seu espírito, pronto! A magia do jazz já aconteceu!!!!
Junte-se à nossa confraria virtual e, por favor, venha sempre, ok?
Um fraterno abraço e obrigado pelas palavras gentis!

Google Analytics