Amigos do jazz + bossa

segunda-feira, 5 de julho de 2010

MACHÕES NÃO DANÇAM. MAS TOCAM JAZZ...


Chicago não é para principiantes. Conhecida como Windy City, ou Cidade dos Ventos, é a capital do estado de Michigan. O clima frio ajuda a compor uma paisagem física e humana que nada tem de amena. Há uma certa rudeza na alma dos homens da cidade, outrora marcada pelo domínio dos gângsters, sendo o mais célebre deles o impiedoso Al Capone. A música feita por lá também reflete esse estado de espírito: é austera, incisiva, contundente. Música feita por e para homens durões.

Não é à toa que o blues eletrificado por gente como Muddy Waters ou B. B. King surgiu ali. A mítica Chess Records, berço fonográfico do próprio Muddy Waters, de Howlin’ Wolf e de Etta James não poderia ter surgido em outro lugar. O jazz de Chicago também possui como uma de suas características mais marcantes essa aspereza natural, essa aridez atávica, essa urgência tipicamente urbana. Um dos selos mais tradicionais do jazz, a Delmark, também nasceu na cidade e em seu cast abrigou jazzistas de enorme personalidade, como Jimmy Forrest, Von Freeman ou Johnny Griffin.

Muito longe dali, no dia 1º de maio de 1931, em Washington, D. C., nascia Ira Brevard Sullivan Jr., destinado a ser um dos mais talentosos, e obscuros, representantes daquilo que se convencionou chamar de Chicago Sound. Sua assombrosa musicalidade pode ser medida pelo seguinte fato: ele começou a aprender tocar trompete com inacreditáveis três anos. Isso mesmo, três anos. As aulas eram ministradas pelo pai, um músico amador, na própria cidade natal.

Pouco tempo depois a família se mudaria para Chicago e o pequeno Sullivan se dedicou ao aprendizado de um novo instrumento, o sax tenor. Desta vez, as aulas ficaram a cargo da mãe e, em pouquíssimo tempo, o garoto já era titular na orquestra da escola. Inicialmente influenciado por Clyde McCoy e Harry James, Sullivan ficou completamente chapado quando ouviu pela primeira vez Dizzy Gillespie e o seu hipnotizante bebop. Com apenas 12 anos, liderou o seu primeiro conjunto, em uma formação que incluía saxofone, tocado por ele, acordeão e bateria.

Aos poucos, Sullivan foi se integrando à movimentada cena jazzística de Chicago, travando amizade e tocando com diversos músicos locais, como os pianistas Junior Mance e Eddie Higgins, o baixista Wilbur Ware e os saxofonistas Lee Konitz, John Gilmore e Johnny Griffin. Aos 20 anos, liderou um grupo que contava com os talentos de Stan Getz, Nat Adderley e Johnny Hartman.

Além dos músicos da própria cidade, os clubes eram repletos de atrações como Gene Ammons, Lester Young, Wardell Gray, Dexter Gordon, Sonny Rollins ou Sonny Stitt. Certa feita, ninguém menos que Charlie Parker desembarcou em Chicago e o jovem Sullivan teve a honra de acompanhá-lo durante uma semana, no ano de 1955.

Segundo o Mestre Pedro "Apóstolo" Cardoso, uma das maiores autoridades brasileiras em jazz (com mestrado, doutorado e pós doutorado em Charlie Parker), os shows aconteceram nos dias 11, 12, 13 e 14 de fevereiro, no clube "Bee Hive Lounge". Nessa série de concertos, Bird e Sullivan foram acompanhados pelo pianista Norman Simmons, pelo baixista Vic Sproles e pelo baterista Bruz Freeman.

Ira parece ser o único músico do mundo a ter tocado trompete com Charlie Parker e sax tenor com Roy Eldrige, o que demonstra quão hábil pode ser nos dois instrumentos. Após tocar com Parker, Sullivan foi convidado por este para juntar-se à sua banda, em Nova Iorque. Lamentavelmente, a decisão de se mudar para a Grande Maçã somente seria tomada em 1956, quando Bird já havia falecido.

A breve, porém intensa, convivência com Parker marcou-o profundamente e ele lembra: “Ele me convidou para ir a Nova Iorque, tocar em seu grupo, mas infelizmente, morreu um mês depois do convite. Naquela época, ele parecia bastante saudável e nós passamos ótimos momentos, apenas tocando e conversando sobre arte e literatura. Ele sempre buscava o conhecimento e foi uma das pessoas mais calorosas que já tive a oportunidade de conhecer”.

Mesmo sem a figura protetora de Parker, Sullivan resolveu tentar a sorte em Nova Iorque. Pouco depois de sua chegada, foi convidado para se juntar ao a Art Blakey e seus Jazz Messengers, despertando enorme interesse por parte da crítica especializada, sobretudo por causa de sua extrema perícia com o trompete e o sax tenor.

Gravou com Blakey um álbum para Columbia, tocando sax tenor, e sob a liderança do tenorista J. R. Montrose gravou um disco para a Blue Note (nesta sessão, ladeado pelos fabulosos Horace Silver, Wilbur Ware e Philly Joe Jones, Sullivan toca trompete). Ira também tocou algum tempo com Thelonious Monk e Billy Taylor, mas não se adaptou ao ritmo da cidade.

A louca vida ao lado dos Messengers assustou um pouco o tranqüilo Sullivan. Segundo o bem-humorado trompetista/saxofonista, Blakey “tinha umas 11 esposas e antes de viajar tinha que visitar todas elas e deixar dinheiro para as despesas de todos. Às vezes, nós saíamos em cima da hora de tocar. Nós sempre chagávamos nos shows no último minuto. Mas a música era espetacular”. De qualquer forma, ele havia se tornado pai recentemente – sua filha estava com apenas quatro meses, quando ele viajou para Nova Iorque – e a saudade da família começou a pesar.

De volta a Chicago, Sullivan continuou a sua carreira, de forma discreta, acompanhando gente do calibre de Rahsaan Roland Kirk, Eddie Harris, Philly Joe Jones, Red Garland, Hank Jones, Louie Bellson, Roy Haynes, Elvin Jones, Ron Carter, Nat Adderley, Dexter Gordon, Billy Higgins e muitos outros. Em 1958 conheceu o trompetista Red Rodney, um dos pioneiros do bebop, com quem manteve uma sólida amizade e uma parceria que perduraria, com algumas interrupções, até hoje.

Nessa época, ainda em Chicago, conheceu um jovem e talentoso pianista chamado Herbie Hancock, então estudante de engenharia na University of Chicago. Com apenas 18 anos e já considerado uma das maiores revelações da cena jazzística da cidade, o jovem certa feita abordou Sullivan e lhe deu o seu cartão. Timidamente, disse: “Mr. Sullivan, se algum dia você precisar de alguma coisa, aqui está o meu cartão”.

Algumas décadas depois, no intervalo de uma apresentação, Sullivan encontrou com Hancock nos bastidores e lhe contou a história. Para provar, exibiu, orgulhoso, o cartão que lhe fora dado pelo jovem pianista, para espanto do incrédulo Herbie. É provável que hoje esse cartão valha alguns milhares de dólares no mercado de colecionadores, mas provavelmente Ira ainda o mantém, como lembrança de uma época marcante em sua vida.

Em 1959, Sullivan gravou para a Delmark um dos seus raros discos como líder, chamado “Blue Stroll”. As gravações ocorreram no dia 26 de julho, com produção de Richard Cunliffe e o líder dá uma aula de versatilidade e talento, tocando trompete, sax tenor, sax barítono, sax alto e tuba. A seu lado, o não menos talentoso Johnny Griffin, dobrando no sax alto, no tenor e no barítono, além de três outros respeitados músicos de Chicago: o pianista Jodie Christian, o baixista Vic Sproles e o baterista Wilbur Campbell.

Campbell, aliás, foi involuntariamente responsável por uma situação hilária: como o seu kit de bateria estava armazenado no depósito de um clube local, ele teve que pedir emprestado uma bateria de quinta categoria e se virar com o precário instrumento. É claro que a sua enorme capacidade técnica não permite que o ouvinte perceba o mico, mas o certo é que no final da sessão a pobre bateria não servia mais para nada.

De qualquer forma, além de talentoso baterista, Campbell também é um compositor de mão cheia e a faixa de abertura, “Wilbur’s Tune”, é de sua autoria. Calcado no bom e velho hard bop, o tema abre espaço para todos os músicos brilharem em seus respectivos solos. A interação entre piano, baixo e bateria é total, com destaque para o magistral solo de Sproles. Griffin e Sullivan, este a bordo do trompete, fazem um duelo não menos que exuberante.

Em seguida, o standard “My Old Flame”, serve de vitrine para a versatilidade do líder, que aqui maneja, com indiscutível perícia, o sax barítono. Sullivan reforça a intensidade dos registros mais graves, criando um clima soturno, bem de acordo com a atmosfera da canção. Fazendo contraponto a essa abordagem sombria, o piano de Christian é lírico, etéreo, e o resultado é emocionante.

“Blue Stroll” é uma composição de Christian, com ecos de R&B e no estilo do que se chamaria, na década seguinte, de soul jazz. Demonstrando muita intimidade com as formas tradicionais da música negra e com os estilos pianísticos do passado, o autor capricha no stride e em uma abordagem típica das eras pré-bebop. Mais uma vez ao trompete, Sullivan incendeia a sessão e seu companheiro Griffin, considerado o saxofonista mais rápido do jazz, mantém elevada a temperatura, com um solo que conjuga velocidade e ousadia.

Sullivan também é um compositor criativo e cheio de recursos. O blues “63st Street Theme”, belíssimo, é de sua autoria, assim como a energética “Bluezinbee”. Na primeira, o quinteto magnetiza a atenção do ouvinte, com uma levada intensa, rústica mas cheia de feeling, como deve ser qualquer blues de ótima cepa. Mais uma vez ao trompete, o líder exala emotividade por todos os poros, enquanto Griffin, no sax alto, comete um dos solos mais pungentes do disco.

No tema seguinte, o quinteto faz uma abordagem bastante sinuosa, com muito espaço para a sessão rítmica, em especial Christian. Com referências explícitas ao blues, mas com um andamento mais acelerado que o habitual, a faixa, de efervescentes 18min46s, apresenta Sullivan, mais uma vez, ao sax barítono, além de valer-se do sax alto, do trompete e da tuba. Demonstrando nada dever a outros expoentes do instrumento, especialmente Pepper Adams ou Serge Challoff, o líder descortina uma vasta gama de variações harmônicas e não nega as suas origens boppers. Como um atrativo a mais, o álbum traz um take alternativo de “Wilbur’s Tune”, tão vibrante quanto o take original.

Nos anos 60, Sullivan trocou a fria Chicago pela ensolarada Miami. Ele havia viajado para visitar seus pais e gostou da cidade, decidindo estabelecer-se ali com a família. Um amigo, o baterista Guy Viveros, cuidou de familiarizá-lo à cena local. Em pouco tempo, já estava completamente adaptado, fazendo shows em vários lugares, inclusive na Disneylândia, cujo clube Lake Buena Vista é considerado pelo saxofonista como um dos melhores locais para se tocar jazz na cidade. As gigs no clube muitas vezes incluíam o trompetista Idrees Sulieman, velho amigo dos tempos de Nova Iorque e então residindo na Dinamarca, que também costumava tocar sax alto nesses animados encontros.

Sullivan continuou a gravar de forma episódica, incluindo-se no rol de álbuns do período o elogiado “Horizons”, de 1967, para a Atlantic. Em 1975, gravou para a A&M o disco “Ira Sullivan”, que possui o mérito de revelar ao mundo o talento de Jaco Pastorious, provavelmente o maior nome do contrabaixo elétrico no jazz. Também investiu na carreira de educador musical, trabalhando como professor convidado do departamento de jazz da University of Miami, a partir do início dos anos 70. Um de seus alunos foi um jovem guitarrista chamado Pat Metheny.

Insatisfeito com a pequena quantidade de instrumentos que já dominava, Ira aproveitou seu exílio dourado na Flórida para acrescentar à sua coleção três novos brinquedos: o flugelhorn, o sax soprano e a flauta, que usa com enorme desenvoltura. Reza a lenda que o aprendizado foi conseguido no espaço de pouco mais de quatro horas e graças a uma única aula, ministrada pelo também multiinstrumentista Eddie Caine, conhecido por seu trabalho ao lado de Miles Davis e Gil Evans.

Nem mesmo um sério problema bucal foi capaz de mantê-lo fora dos palcos e estúdios. O uso contínuo de instrumentos de sopro ao longo de tantos anos havia comprometido a sua embocadura e o saxofonista tinha uma enorme dificuldade para tocar, além de sentir dores intensas. Após um tratamento que recuperou-lhe a estrutura dental, o jovial Sullivan superou essa adversidade – aliás, costuma dizer que sua embocadura está perfeita, como na época em que tinha 19 anos.

Mantendo-se ainda em intensa atividade, seja como educador musical ou seja simplesmente tocando, Ira foi um dos destaques de um tributo a Jaco Pastorious realizado no Beacon Theatre, onde também se apresentaram o pianista Gil Goldstein, também responsável pelos arranjos, e o trompetista Randy Brecker. Foi indicado cinco vezes para o Grammy. Também participou de álbuns do vibrafonista Jim Cooper, do pianista Bob Albanese, do trombonista Scott Whitfield e do guitarrista Joe Diorio.

Além das habituais apresentações ao lado do velho companheiro Red Rodney, Sullivan costuma excursionar com o talentoso saxofonista Eric Alexander, em uma formação que inclui o pianista Harold Mabern, o baixista John Weber e o baterista Joe Farnsworth. Nesses concertos, Sullivan costuma flauta, trompete e sax soprano, deixando o tenor para Alexander.

Sobre a sua ausência dos estúdios, Sullivan dá uma aula de desprendimento e de amor à música: “Eu nunca me interessei muito em gravar álbuns. Eu me interesso apenas em tocar. Eu só gravo quando alguém insiste muito. Eu odeio aqueles fones de ouvido, eles tiram o feeling da palheta e, conseqüentemente, do próprio instrumento. Para mim, tocar é tudo que importa”.

===========================

51 comentários:

Valéria Martins disse...

Querido Erico, quer dizer que vc também gosta de brincar? Que bom, hehehe...

Sobre o Sullivan, o cara rodou o mundo, né?

Beijos, obrigada pela visita.

Érico Cordeiro disse...

Oi, Valéria,
Seja muito bem-vinda!
Pois é, e o melhor é que agora a gente pode comprar um monte de brinquedos e dizer que são para com os filhotes, embora quem curta mesmo sejamos nós, os "adultos" (rs, rs, rs)!
Quanto ao Sullivan, descobri meio por acaso, comprei um álbum dele em um sebo e fiquei fã. Depois descobri esse Blue Stroll e a admiração ficou ainda maior! E além de rodar o mundo, ainda ajudou um monte de gente em início de carreira, como o Pastorius e o Pat Metheny.
Valeu pela presença!
Um fraterno abraço e uma excelente semana prá você!!!!

lolipop disse...

Adorei a sua história!!!! Não conhecia o Sullivan, vou investigar...
ABRAÇOS

figbatera disse...

Eu tb não conhecia esse grande músico, que já beira os 80 anos; adorei!
Bela história, ótima resenha, música de primeira!

ps1.:o problema não era meu navegador (uso o firefox); a leitura do seu texto voltou a ficar mais fácil.Obrigado!
ps2.: dá pra "pandear" esse álbum?

gracious dreams disse...

Blog espectacular, para quem gosta de música - principalmente as maravilhosas batidas flajzisticas que ouvimos/lemos aqui no blog ;)

Érico Cordeiro disse...

Caros Lolipop, Fig e gracious dreams,
Sejam muito bem-vindos e obrigado pelas presenças!
Boa sorte nas buscas, minha embaixatriz na Terra do Sol Nascente. Pode ouvir sem medo, pois o Sullivan é um grande músico e merece ser descoberto!
Meu caro Fig, estou em Brasília e só na sexta vou estar "anteciPando" (rs, rs, rs).
Gracious, fique à vontade para vir sempre que desejar - o único sentido de um blog é fazer amigos pelo mundo!!! Eu também já pus o seu blog entre os meus favoritos. Mantenhamos essa ponte!
Grande abraço a todos!

Sergio disse...

Pois é, seu érico do Planalto... Engraçada foi a cena quando pulei do meu blog pro seu, acreditei q ainda estava em casa. Mas sempre foi assim, agora só nos definimos pela mesma decoração.

Quanto ao Sulivan - se o Gide estivesse vivo, passaria-me um carão - ainda não li. Mas tenho algo dele. Este disco, creio q não. Então pode me por nas graças do urso q não brigaremos por causa tão boa!

Abraços!

Érico Cordeiro disse...

Mr. Sérgio,
Tá todo mundo repaginando a casa (você, o Salsa, etc.) então resolvi seguir o exemplo. Espero que os amigos curtam o novo lay-out.
O Sullivan é muito bacanudo. Só acho que você não vai ter paciência para esperar até sexta pelo ursinho (rs, rs, rs)!
Abração!

Ale Danyluk disse...

Que bom saber e ter conhecido esse seu canto aqui que além de toda sonoridade é extremamente agradável a sua forma de dizer as coisas. Adorei o comentário, o texto e tudo mais... Nem preciso dizer que já virei habituê por aqui.

Valeu Ërico
Bjo
Ale

nydia bonetti disse...

Todo mundo repaginando a casa, só a engenheira se mantém (ainda) fiel ao brancão básico - caição - rsss. Ficou melhor ainda, Érico. Abraço!

Sergio disse...

Ò, seu san, mais cedo deixei um comentário aqui mas sumiu.

Uma coisa q eu disse é q pulei ontem do meu blog ao seu e deu impressão q ainda estava em casa – q nunca deixou de ser mais do q força de expressão, mas nesse caso: acho q contratamos o mesmo arquiteto, pra não dizer decorador, q decorador... c sabe né seu san? - rs.

Que mais falei: q tinha algo do Ira Sullivan, dois muito bons, 1 com johnny griffin e outro tão bom quanto Horizons, mas certamente não o disco postado, então... please me inclua na listinha amiga...

E o resto c não sabe mas adivinha, o de sempre ainda não li o texto mas, etc...

Já conheces a rotina, na escolinha do professor seu san, sou um aluno um tanto indolente mas leio tudo. É como era na escola, atrasava, mas passava de ano!

Abrassonics!

Érico Cordeiro disse...

Caros Alê, Nydia e Sérgio,
Sejam muito bem-vindos.
À primeira agradeço as palavras generosas e espero tê-la sempre a bordo, juntando-se à confraria do jazzbarzinho.
À segunda, digo que o Latitudes é maravilhoso, seja com o branco básico, seja com um preto gótico, seja atá com o cor-de-rosa choque (rs, rs, rs). Acabei me rendendo a essa nova apresentação e acho que os amigos gostaram - no mais, o barzinho continua com a sua proposta de muito papo e muita música, com a inestimável presença dos amigos!!!
Mr. San, fique frio - acho que nessa repaginada tá acontecendo algo com os comentários - às vezes aparece um número X e eu vou ver e tem muito mais. Loucuras bloguísticas (rs, rs, rs). O urso viaja na quinta ou na sexta.
Abração aos três!

APÓSTOLO disse...

Estimado ÉRICO:

Antes de tudo e de mais nada, sou extremamente grato por seu telefonema, para lembrar-me que já passei dos ?????? anos.
Mais fidalgo que você é assunto pouco em voga nos dias de hoje: grato ! ! !
Uma pequena correção em sua bela resenha (acompanhada de ótima escolha do disco), sobre um músico pouco reverenciado, mas de altíssima categoria: Ira Sullivan tocou em Chicago com PARKER em 1955 nos dias 11, 12, 13 e 14 de fevereiro (Parker/alto, Ira/trumpete, Norman Simmons/piano, Victor Sproles/baixo e Bruz Freeman/bateria), portanto exatamente 01 mês antes de falecer, mas não no "Clube Jazz Showcase", mas sim no "Bee Hive Lounge" (1503 E. 55th Street).
Possuo foto da divulgação e fotos de Parker com Ira e demais músicos.
Apenas detalhes.
Parabéns por mais essa resenha que enriquece a todos nós.

Monday disse...

Érico

Vi seu comentário lá no blog do Cleto e vim aqui conhecer o seu espaço.

Jazz não é minha praia preferida, gosto mais de blues e rock, mas sempre tem alguma música em outro estilo, mesmo não sendo o nosso favorito, que agrada um pouco a mais.

Por falar em bossa nova e Martin H., cujo texto virou post por lá, estou com amigos músicos montando um CD, onde uma das músicas é uma bossa nova. O Martin já ouviu o arranjo básico e parece que estou num bom caminho ... rsss

Não sou músico, mas escrevo. No caso do CD, as letras e melodias são minhas, os arranjos e harmonia do meu parceiro.

Se gostar de poesia e quiser conhecer, é só visitar o meu blog. Mas por favor, é só um convite, não uma intimação ... rsss

Lá no Cleto, você me encontra como Flávio B. No blog, como Monday.

Abraço e parabéns pelo seu espaço aqui.

Érico Cordeiro disse...

Caros Apóstolo e Monday,
Sejam muito bem vindos.
Ao primeiro, agradeço as palavras gentis e digo que falar com você é sempre um enorme prazer. Certamente não demorarei a fazer outra visita à "toca", onde fomos muito bem recebidos e passamos horas agradabilíssimas, na companhia do casal mais amável e simpático da Paulista, Consolação, Jardins, enfim, da Grande São Paulo até a Grande Pinheiro.
Obrigado também pela correção: quarta-feira faço as retificações na postagem e ponho o crédito - afinal, estou diante de alguém que conhece muito pouco sobre a vida e a carreira de Bird (rs, rs, rs)!!!!
Monday, por favor, agruegue-se à nossa confraria. Adoro música (rock, pop, MPB, erudito, blues), mas nos últimos cinco anos tenho ouvido pouca coisa coisa além do jazz - não foi uma paixão, daquelas arrebatadoras, mas um amor que veio se construindo ao longo dos anos e que hoje me dá um prazer enorme em ouvir, ler, pesquisar e escrever sobre essa música maravilhosa.
Obrigado pela visita e estou passando no seu blog. Tomara que o disco saia logo e tenha bastante sucesso - espero ouvi-lo qualquer hora dessas.
Um fraterno abraço aos dois!!!!

osvjor disse...

Fala, Érico. Segui seu link a partir do blog do Paulo Cleto, onde tá rolando aquela discussão sobre o João Gilberto. Cara, parabéns pelo blog, tem ótimas informações e já vi de cara que tem um trompetista do qual nunca tinha ouvido falar, o Ira Sullivan. Vou procurar material dele e voltar ao seu blog com regularidade, pra conhecer mais músicos. Também fiquei contente por ter visto que o José Domingos Rafaelli apareceu por aqui e escreveu ótimos depoimentos. Abraços

Érico Cordeiro disse...

Caro osvjor,
Seja muito bem-vindo e junte-se à confraria do jazzbarzinho! O Mestre raffaelli é um amigo querido, que sempre nos dá a honra de sua presença. Espero tê-lo a bordo sempre e prometo que visitarei seu ótimo blog com freqüência!
Um fraterno abraço e obrigado pelas palavras generosas - pode ir fundo na busca por discos do Sullivan porque vale a pena. Sugiro o disco do J. R. Monterose, de mesmo nome, lançado pela Blue Note e creio que ainda em catálogo. Ali o Sullivan detona no trompete.
Abraços fraternos!

osvjor disse...

beleza, é bacana a gente ter um espaço pra aprender um pouco sobre o jazz, já que as informações sobre o gênero aqui no Brasil costumam ser escassas. e já achei legal, pelo pouco que vi, que este espaço não parece ser "ortodoxo", sectarista, coisa que não aguento e que às vezes, infelizmente, costuma acontecer entre os jazzistas. abs

moça da cafeteria disse...

Caro Erico,

Adorei o jazz, curti a bossa e, assim que sobrar um tempinho, termino de ler os baratos outros. Você ganhou uma leitora.

Um abração

Clara Lopez disse...

Oi, erico, vim conhecer o blog, como prometido, e já vi que a casa é referência em boa música e ótimo jazz, vou visitar com regularidade, com certeza.
abraço,
clara lopez

Érico Cordeiro disse...

Caros osvjor, moça da cafeteria e Clara,
Sejam muito bem-vindos. O jazzbarzinho está aberto para receber os amigos, sempre com muita música e bom papo.
Agradeço pelas palavras gentis e espero tê-los a bordo sempre.
osvjor, embora dentro do jazz eu tenha lá as minhas preferências (cool, hard bop, west coast e bebop, sobretudo), ouço de tudo, desde que seja música de qualidade - pode ser pop (como você, também adoro a Amy Winehouse, que considero a melhor cantora surgida no cenário pop nos últimos 20 anos), rock, blues, MPB, choro, etc. Esses outros gêneros entram nos "baratos outros" - ou seja, aqui tudo é festa. Mas como os espaços para falar sobre jazz são poucos, vou dando prioridade ao estilo que, afinal, é o que mais tenho ouvido nos últimos anos.
Grande abraço aos três e obrigado pelas presenças!!!!

pituco disse...

érico san,

piramidal e bacanudo pacas...tudo!...inclusive os novos comentaristas.

abraçsons

Érico Cordeiro disse...

GRande Pituco,
E o jazzbarzinho fica ainda mais animado com a sua presença!
Valeu, em embaixador na Terra do Sol Nascente!

pituco disse...

signore érico, em tempo...

a reforma, que não é a autoral, moralizou a suruba literária em que se encontrava esse nobel 'latifúndio virtuo cultural'...rs

abraçsonoros

Hector Aguilera S. disse...

Caro Érico, no conocía a este trompetista Ira Sullivan. Buscaré algunas grabaciones de él para poder opinar.
Un cordial saludo,

Érico Cordeiro disse...

Grandes Pituco e Hector,
Bem-vindos à casa! Pois é, acho que com a reforma acabaram os problemas de textos "agarradinhos" e que dificultam a leitura.
Quanto ao Sullivan, meu caro Hector, pode ir sem medo, porque tudo o que eu conheço dele vale a pena!
Grande abraço aos dois!

Sergio disse...

Pode ir sem medo mesmo! Fiz um significativo upgrade na Sullivan collection, mr. E encontrei um álbum muito raro e muito bom! no a qual Sullivan participa. Chama-se The Incredible Hank Jones meets Louis Bellson and Ira Sullivan e esse "raro" vem de uma expressão usada no texto/crítica no allmusic - que nem enche muito a bola do disco 3 estrelas -, mas diz assim: "Because of the demise of Stash, this CD will become much harder to locate." Dei uma pesquisada na expressão "Stash", e o google me deu um resultado referente a “arquivo original”. Se os amigos souberem o que exatamente stash significa no universo das gravadoras, gostaria de saber.

Fora a dúvida, desenterrei ainda o Ira Sullivan (Bird Lives!) 1962 e Ira Sullivan (The Incredible Ira Sullivan) 1980. E o cara manda muito!

Érico Cordeiro disse...

Grande Seu Mr. San!
A garimpagem continua a todo vapor. Infelizmente não vou poder ajudá-lo. Conheço a Stax, uma gravadora de soul/funk/R&B que tinha no seu cast gente como Booker T. & the MG's, Otis Redding, Isaac Hayes (a trilha sonora de Shaft foi lançada por ela), Wilson Pickett e outros.
Agora esse disco do Sullivan com o Hank Jones é sério candidato a Reco-álbum.
Abração!

Sergio disse...

Seu san, salvo engano, agora acho que achei o significado: em tv, chamávamos "master", à fita com a edição final que redundaria nas cópias. Deve ser isso.

Érico Cordeiro disse...

É um caminho, Mr. San. Mas não sei nadica de nada a respeito.
Abração!

rouxinol de Bernardim disse...

Aqui aprende-se sempre algo. O jazz tem uma alma do tamanho do mundo.

Paul Brasil (Paul Constantinides) disse...

interessante relacionar a crueza do clima da cidade de Chicago com o temperamento das pessoas de lá..no caso a musica..
quiçá encontra-se na musica a doçura...bem que cada lugar tem sua cara e sua musica e suas exceções..
abs
musicais
paul

Érico Cordeiro disse...

Caros Rouxinol (a quem saúdo com o seja bem-vindo especial) e Paul,
Obrigado pelas presenças e comentários. Espero que o primeiro se junte à nossa confraria virtual e venha sempre ao jazzbarzinho, como o nosso querido amigo paul, o embaixador do blog na Flórida.
Pois é, Mr. Paul, quis fazer uma analogia entre a crueza do clima e a crueza da música feita em Chicago. Desde os primórdios do jazz, Chicago se destaca por sua personalidade musical única. Vários nomes do dixieland foram obrigados a se mudar prá lá, na década de 20, porque as casas noturnas de New Orleans foram fechadas.
Louis Armstrong, Bix Beiderbecke, Gene Krupa, os irmãos Dorsey e Coleman Hawkins, entre muitos outros (nascidos ou estabelecidos por lá) ajudaram a dar uma nova feição ao jazz e a amadurecê-lo como estilo.
Um fraterno abraço aos dois!

Anônimo disse...

Hеllo this is κind of of off topic but I ωas wantіng to know if blоgѕ use
WYSIWYG editoгs or if you havе to manually сodе ωith HTML.
I'm starting a blog soon but have no coding expertise so I wanted to get advice from someone with experience. Any help would be greatly appreciated!

Here is my web blog ... vapornine
Here is my blog :

Anônimo disse...

It's an remarkable piece of writing in support of all the web visitors; they will take advantage from it I am sure.

my web blog - pikavippi
Feel free to surf my homepage ... pikavippi

Anônimo disse...

Sοmebody nесessarіly hеlp to mаke sіgnіficantly articlеs I'd state. That is the first time I frequented your website page and thus far? I surprised with the research you made to create this actual post amazing. Excellent job!

Review my website :: samsung Galaxy S3
Also visit my web blog :

Anônimo disse...

Thank you for any оther informative webѕite. Wherе еlse may I am gеtting that
κind of іnfοrmаtiοn written in ѕuch a
peгfect means? I have a misѕion thаt Ӏ
am just noω workіng on, аnd I've been on the look out for such information.

Also visit my web blog: forex broker
My page >

Anônimo disse...

Greetingѕ! Vеry helρful аdvice within
this artіcle! It's the little changes that will make the most important changes. Many thanks for sharing!

Have a look at my webpage ... http://www.galaxynote2.fr
my website -

Anônimo disse...

Wοw, thiѕ paragгaρh is plеasant, my younger sister іѕ analyzing ѕuch things,
thuѕ I аm going to tell hег.


Also νisit my ωeb-ѕite ... http://pikavippii.net
My web page ... pikavippi

Anônimo disse...

Ӏ'm truly enjoying the design and layout of your site. It's
a ѵerу easy оn the eyes which makeѕ it muсh more enjoyable for me to сome here
and νisit moгe often. Did you hirе out a developer to crеate your theme?
Outѕtanding work!

Check out my web blog; slk
My web-site :

Anônimo disse...

ӏ am gеnuinely thankful to the owner
of this website who has shared this grеat article at at thіs time.


Looκ at mу blοg: www.bit-wiki.de
Check out my page samsung galaxy note 2

Anônimo disse...

I visit day-to-day a few blogs and websites to read articles, however this website gives feature based content.


Also visit my weblog; buy likes and followers
Stop by my web site :: instagram followers cheap

Anônimo disse...

I go to see daily a few sites and blogs to
read posts, however this blog provides quality based content.


Also visit my web blog :: buy instagram followers fast
Here is my weblog :: buy likes and followers

Anônimo disse...

Nice blog here! Additionally your web site a lot up very fast!
What host are you using? Can I am getting your affiliate
link for your host? I want my site loaded up as fast as yours lol

Here is my web-site ... ovp

Anônimo disse...

If you are going for most excellent contents like me, only
visit this website everyday for the reason that it provides quality contents, thanks

Here is my website - atlantis milo's return

Anônimo disse...

Hi there I am so glad I found your site, I really found you by accident, while I was researching on Digg for something
else, Regardless I am here now and would just like to say many thanks for a incredible post and a all round thrilling blog (I also
love the theme/design), I don’t have time to look over
it all at the minute but I have book-marked it and also included your RSS feeds,
so when I have time I will be back to read much more,
Please do keep up the fantastic jo.

Stop by my web page ... http://www.hoffmannbros.com/blog/entry/how-to-select-an-upstanding-heating-and-air-conditioning-contractor.html

Anônimo disse...

It's really very complex in this full of activity life to listen news on Television, therefore I only use world wide web for that purpose, and take the latest information.

Also visit my web page ... america2inc.com

Anônimo disse...

There is certainly a lot to find out about this subject.
I really like all of the points you've made.

my web page; storify.com

Anônimo disse...

Hello! This post could not be written any better!
Reading through this post reminds me of my old room mate! He always kept talking about this.
I will forward this page to him. Fairly certain he will have a good read.
Thanks for sharing!

Also visit my weblog :: get followers

Anônimo disse...

I absolutely love your website.. Very nice colors & theme.

Did you make this website yourself? Please reply back as I'm planning to create my own blog and would love to find out where you got this from or what the theme is named. Cheers!

Visit my blog post; how to increase twitter followers

Anônimo disse...

Off seasons reasons some shoes may be[url=http://niketrainersuksale.webeden.co.uk]http://niketrainersuksale.webeden.co.uk[/url]
fleetingly do not in possession of the cabability to[url=http://tomscanadaoutlet.snappages.com]Toms Shoes Canada[/url]
wear such shoes our nation[url=http://addnikecanadastore.snappages.com]Nike Shoes Canada[/url]
politely wager them within your[url=http://louboutintrainersuk.blog.co.uk]http://louboutintrainersuk.blog.co.uk[/url]
pure spend edict to steer clear of superfluous injure of shoes[url=http://salelouisvuittonuk.webeden.co.uk]Louis Vuitton Shoes[/url]

Nevertheless if the insole is for the most part rotten, it can need to employ a quiet gather and sea water gently scrub. Determination get to be distinguished that, avoid chemical cleaners cleaning, or they intent favourite current the insole ostensibly of cloth off.[url=http://shoppradabagsuk.webeden.co.uk]Prada Sale[/url]

Google Analytics